Alemanha

Polícia encontra «indícios concretos» contra organização neonazi


 

Lusa/AOonline   Internacional   9 de Out de 2008, 11:29

A polícia alemã encontrou «indícios concretos», após rusgas em todo o país, de que a organização neonazi «Heimattreue Deutsche Jugend» (Juventude Alemã Patriótica) atenta contra a ordem constitucional, disse o Ministério do Interior em Berlim.
A organização foi muito falada em Agosto, quando promoveu um acampamento de Verão em Meklemburgo-Pomerânia Ocidental, no nordeste da Alemanha, para ministrar a ideologia nazi a crianças e jovens.

    Nas rusgas efectuadas esta quinta-feira, ao princípio da manhã, a polícia revistou 15 apartamentos de responsáveis da «Heimattreue Deutsche Jugend» (HDJ) em Berlim, 14 no "land" de Brandenburgo e 17 em Mecklemburgo-Pomerânia Ocidental.

    Ao todo, foram revistados mais de 80 apartamentos e escritórios em toda a Alemanha, envolvendo mais de 100 suspeitos, mas não ocorreram detenções, disse um porta-voz da polícia.

    A proibição da HDJ tem sido reclamada por vários políticos, quer próximos do governo federal, quer da oposição, e está a ser debatida na comissão de Assuntos Internos do parlamento alemão.

    Observadores interpretaram as rusgas de hoje contra a HDJ como uma medida do Ministério do Interior destinada a reunir provas do carácter neonazi da organização, para justificar a respectiva proibição.

    "As buscas policiais de hoje visam apurar se a HDJ atenta de forma agressiva contra a ordem constitucional e se as suas actividades são ilegais", refere um comunicado do secretário de Estado do Interior, August Hanning.

    O depuitado social-democrata Sebastian Edathy, que advogou a proibição da HDJ, considera a organização neonazi "particularmente perigosa, porque injecta ideias anti-democráticas em crianças e jovens e dá-lhes treino paramilitar».

    Edathy lembrou também que a HDJ emanou de outro grupo neonazi proibido em 1994, a Wiking-Jugend (Juventude Wiking), que propagava abertamente as ideias do partido nazi de Adolf Hitler e da Juventude Hitleriana.

    A HDJ resultou de uma cisão na Liga da Juventude Patriótica, organização neonazi surgida na década de 1950, entretanto extinta.

    O Die Linke (Partido de Esquerda), que também já apelou à proibição da HDJ, sublinhou que esta tem ligações estreitas com o NPD, o maior e mais aguerrido partido da extrema-direita alemã, que nos últimos anos elegeu deputados em vários parlamentos regionais e em numerosas assembleias municipais.

    Segundo o ratório anual da secção berlinense dos serviços de informações alemães (BND), o chefe do NPD de Berlim, Joerg Haehnel, é membro activo da HDJ. A página da HDJ na internet está também registada em nome de Tino Mueller, deputado do NPD no parlamento regional de Mecklemburgo-Pomerânia.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.