Taça UEFA

Peter Crouch destrói sonho europeu do Guimarães

Peter Crouch destrói sonho europeu do Guimarães

 

Lusa/AO online   Futebol   2 de Out de 2008, 23:48

O Vitória de Guimarães falhou hoje o acesso à fase de grupos da Taça UEFA em futebol, ao empatar 2-2, após prolongamento, na recepção aos ingleses do Portsmouth, em encontro da segunda “mão” da primeira eliminatória
O Vitória de Guimarães falhou hoje de forma inglória a fase de grupos da Taça UEFA, ao empatar 2-2, após prolongamento, na recepção ao Portsmouth, depois de recuperar do 0-2 trazido de Inglaterra.
A equipa lusa baqueou apenas no tempo extra, precisamente numa fase em que até procurava o terceiro golo, quando uma descompensação no lado esquerdo da defesa permitiu ao internacional inglês Peter Crouch fazer uso dos seus dois metros e sentenciar a eliminatória.
O empate é, contudo, algo enganador e até injusto, porque o Vitória de Guimarães empatou a eliminatória aos 32 minutos de jogo,com tentos de Douglas e João Alves, dando corpo a uma primeira parte de grande nível dos comandados de Manuel Cajuda.
O Vitória era a equipa que tinha que ter a iniciativa de jogo e foi isso mesmo que fez desde o início da partida.
Logo aos três minutos poderá ter ficado um penalti por marcar a favor do Vitória de Guimarães, por mão na bola de um defesa do Portsmouth, mas no mesmo minuto teve lugar o primeiro momento de perigo para a baliza inglesa: João Alves, que fez um jogo enorme, foi à linha cruzar atrasado para Douglas falhar rotundamente o remate.
Aos 18 minutos a primeira sensação de golo: canto de Desmarets e Danilo, de primeira, faz a bola passar apenas um pouco ao lado, depois de desviada por um defesa inglês.
Na sequência de novo canto, um minuto depois, a bola foi cruzada para a grande área inglesa, Gregory tocou de cabeça desmarcando Douglas, que, já bem dentro da área, amorteceu no peito e fuzilou a baliza defendida por David James, fazendo o primeiro golo.
O Vitória continuava na busca do golo e, agora, do empate da eliminatória, e uma “bomba” de Wênio, do “meio da rua”, aos 24 minutos, ainda assustou David James.
A equipa comandada por Manuel Cajuda era sempre mais perigosa e o segundo chegou mesmo, aos 32 minutos, provocando o êxtase nos adeptos do Vitória e a amargura nos cerca de 3.500 ingleses que viajaram desde Portsmouth.
Num livre a meio do meio-campo ofensivo do Vitória, João Alves cobrou, a bola passou por entre as pernas de Douglas e enganou David James, que, ainda assim, foi muito mal batido.
Com a eliminatória empatada, o Portsmouth preocupou-se, finalmente, em atacar: aos 33 minutos Defoe rematou à meia volta com algum perigo e, aos 45, um bom trabalho individual de Glen Johnson culminou num bom remate, para uma defesa difícil de Nilson.
Na segunda parte, os visitantes entraram bem diferentes, muito mais rápidos, sobretudo pelos laterais Johnson e Traore, cujos centros procuravam sempre a “torre” Peter Crouch.
O jogo seguia agora com pendor atacante do Portsmouth e o Vitória tentava criar perigo no contra-ataque, sem grande sucesso.
Aos 62 minutos, Manuel Cajuda mexeu na equipa no sentido de impedir as subidas cada vez mais constantes e perigosas dos laterais ingleses, colocando Carlitos no lugar de Roberto, mas o extremo português esteve em campo pouco mais de 10 minutos, pois lesionou-se e saiu em lágrimas, entrando para o seu lugar Jean Coral.
Manuel Cajuda fez a última alteração aos 79 minutos, colocando Fajardo no lugar de Luciano Amaral e recuando Desmarets para defesa esquerdo, deixando em campo um muito desgastado Douglas.
Já no prolongamento, aos 98 minutos, Fajardo teve um bom remate, para defesa segura de David James e, aos 100, o árbitro turco fechou os olhos a uma agressão de Diarra a Andrezinho e ao respectivo cartão vermelho ao francês.
Dois minutos depois, o Vitória ainda teve um último fôlego: a bola passou por Fajardo e Andrezinho até chegar aos pés de João Alves, cujo remate foi parado por uma grande defesa de David James.
O Vitória estava por cima, mas foi o Portsmouth que marcou, aos 104 minutos, na sequência da sua receita de sempre: cruzamento solicitando Crouch e o internacional inglês não perdoou.
Estava ditada, de forma algo inglória, a saída do Vitória de Guimarães da Taça UEFA, confirmada pouco depois com mais um golo de Crouch, que selou um injusto empate.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.