Pelo menos 119 mortos no atentado de Carachi


 

Lusa / AO online   Internacional   19 de Out de 2007, 10:55

Pelo menos 119 pessoas morreram e 375 outras ficaram feridas quinta-feira à noite num duplo atentado que visava a antiga primeira-ministra do Paquistão Benazir Bhutto em Carachi, no Sul do país, anunciou o presidente da Câmara da cidade.
"Há 119 pessoas mortas e 375 feridas" declarou Mustafa Kamal. "É um incidente trágico que me chocou porque Carachi já não tinha um atentado terrorista assim desde há ano e meio", disse.

    Um balanço avançado antes pelos hospitais da cidade dava conta de 108 mortos e mais de 200 feridos.

    O duplo atentado com explosivos foi perpetrado muito perto do camião blindado em que seguia Bhutto, sem a atingir, nas ruas de Carachi, durante o seu regresso triunfal ao país após oito anos de exílio.

    Reagindo ao atentado, o presidente paquistanês condenou-o nos termos mais firmes, qualificando-o de "conspiração contra a democracia".

    "Consternado", o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, condenou quinta-feira energicamente o duplo atentado, através da sua porta-voz.

    Ele condena vivamente este atentado terrorista (…) mas ao mesmo tempo exprime a sua confiança de que as forças políticas trabalharão juntas para reforçar a unidade nacional", salienta o comunicado.

    Também a Casa Branca condenou hoje o atentado mortífero cometido perto do cortejo da ex-primeira-ministra paquistanesa Benazir Bhutto, e afirmou que os extremistas não farão descarrilar as próximas eleições.

    "Os Estados Unidos condenam o atentado brutal cometido no Paquistão e choram a morte de inocentes", disse um porta-voz da Casa Branca, Gordon Johndroe.

    "Os extremistas não conseguirão impedir os paquistaneses de escolher os seus representantes através de um processo democrático e aberto", disse numa referência às legislativas de Janeiro.

    Bhutto conta conduzir o seu partido às legislativas mas negoceia há meses, com o apoio de Washington, um acordo de partilha de poder com o general Pervez Musharraf, aliado estratégico dos Estados Unidos.

    Em Lisboa, a União Europeia condenou quinta-feira "vigorosamente" o atentado.

    "A União Europeia condena com vigor o ataque terrorista contra o cortejo de Benazir Bhutto", declara num comunicado a Presidência Portuguesa da UE, que sublinha que as vítimas participavam "num desfile pacífico nas ruas de Carachi".

    "Tais actos põem em perigo o processo eleitoral", estima a UE, que apela às autoridades paquistanesas e a todas as forças políticas do país para garantirem que as próximas eleições se preparem e decorram num clima propício à livre expressão da vontade dos eleitores".
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.