Açoriano Oriental
PCP formaliza que vai ter candidato presidencial e recusa dar “para peditório” do Chega

O secretário-geral do PCP anunciou este domingo que o Comité Central do partido decidiu apresentar candidato próprio às eleições presidenciais de 2021 e recusou-se a comentar a manifestação do Chega, alegando que não contribui para esse peditório.

PCP formaliza que vai ter candidato presidencial e recusa dar “para peditório” do Chega

Autor: AO Online/ Lusa

Estas posições foram transmitidas por Jerónimo de Sousa em conferência de imprensa, durante a qual confirmou a intenção de o PCP apresentar o seu candidato presidencial já em setembro, mesmo antes da realização do congresso do partido, que se realiza no final de novembro em Loures.

Questionado se poderá concorrer pela terceira vez em eleições presidenciais, Jerónimo de Sousa afastou essa possibilidade, alegando que o seu partido "encontrará mais e melhores soluções para uma batalha tão difícil".

O perfil do candidato comunista é o de alguém "que parta do cumprimento da Constituição da República e da afirmação dos valores de Abril, e que combata as desigualdades e lute pelos direitos de quem trabalha".

"Tendo em conta esta batalha, vai ser um bom ou uma boa candidata, mas o Comité Central ainda não assumiu o nome do camarada ou da camarada que vai assumir essa grande responsabilidade", disse.

Em relação ao próximo congresso, nesta reunião foram aprovados "os critérios e o processo para a elaboração da lista do Comité Central a eleger.

Por outro lado, ainda no plano interno, foi apontada "a necessidade da planificação, desde já, da terceira fase de preparação do congresso, a partir de final de setembro, "de modo a assegurar o máximo envolvimento e participação dos membros do partido e garantir a justa e necessária orientação dos comunistas portugueses para enfrentar os exigentes desafios dos tempos complexos que se vivem".

Na conferência de imprensa, Jerónimo de Sousa foi questionado sobre a manifestação realizada no sábado pelo Chega, em Lisboa, mas disse que não daria "para o peditório de algumas forças que se apresentam por aí agora no terreno".

"Em 1974, era muito mais difícil", comentou, numa alusão à extrema-direita em Portugal.

O líder comunista repudiou depois o racismo e a xenofobia e considerou que em Portugal "existem claramente episódios racistas".

"Mas com segurança afirmo que o povo português não é racista na sua maioria. Quanto ao PCP, é preciso que se saiba que antes do 25 de Abril de 1974 ser contra o colonialismo era crime. E só havia um partido que era criminalizado por isso: O PCP. Mantemos esse posicionamento de solidariedade com os povos, contra o colonialismo, contra o racismo e xenofobia", acrescentou.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.