Passado um mês, apenas um terço das lojas reabriu na Madeira

Passado um mês, apenas um terço das lojas reabriu  na Madeira

 

lusa   Economia   20 de Mar de 2010, 12:59

Apenas um terço das lojas comerciais do Funchal afectadas pelo temporal de há um mês tem as portas abertas, revelaram hoje à hoje à Agência Lusa responsáveis do sector.

Dos 677 espaços já inventariados, apenas um terço já retomou o negócio, revelaram os presidentes da Associação Comercial e Industrial do Funchal (ACIF) e da Associação de Comércio e Serviços (ACS), Duarte Rodrigues e Lino Abreu, respetivamente.

Estes responsáveis disseram que estes casos já inventariados "resultaram em prejuízos superiores aos 72 milhões de euros", com a ACIF a calcular que o valor final, contabilizando todos os casos, ultrapasse os 100 milhões.

Duarte Rodrigues admitiu dificuldades por parte de alguns comerciantes para a obtenção de apoios financeiros, designadamente da linha de crédito destinada à recuperação, face a exigências de índole fiscal e económica.

"É exigido que o comerciante tenha a sua situação fiscal e contributiva resolvida, tendo sido criadas medidas especiais para acordos com as finanças e que o mesmo apresente uma situação líquida positiva, na medida de que o negócio não esteja falido", explicou.

Duarte Rodrigues admitiu que "no Funchal, infelizmente, ainda se nota alguma falta de recuperação do comércio e, por parte dos comerciantes, alguma falta de motivação face à demora da disponibilização dos apoios".

Já Lino Abreu, da ACS, referiu que "o Funchal vive este drama em que, entre estes dois terços de estabelecimento ainda fechados, poderem estar em causa muitos postos de trabalho".

O dirigente associativo adiantou que "esperava que, ao fim de um mês após a tragédia, a situação estivesse melhor".

Estas associações receberam mais de 900 pedidos de apoio, após o temporal de 20 de fevereiro, que matou 43 pessoas e desalojou para crime de 600 famílias


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.