Partido Pró Vida apresenta candidato presidencial


 

Lusa/AO on line   Nacional   30 de Set de 2010, 06:59

O partido Portugal Pró Vida anunciou hoje que o seu líder, Luís Botelho Ribeiro, vai avançar para as eleições presidenciais, numa “candidatura inconveniente” que pretende afirmar os valores da vida e da família, afirmou à Lusa o porta-voz
.

Para o PPV, nenhum dos candidatos presidenciais que já entraram na corrida presidencial e nem a eventual recandidatura do Presidente da República, Cavaco Silva, apresentam garantias de defesa dos valores defendidos pela família.

“Mesmo que Cavaco Silva se candidate, ele próprio deixa-nos dúvidas de que defenda com unhas e dentes as questões da vida e da família”, depois de ter aprovado a legalização da interrupção voluntária da gravidez ou o casamento entre pessoas do mesmo sexo, disse à Lusa o porta-voz da candidatura presidencial do PPV, Carlos Sousa.

No blogue da sua candidatura, Luís Botelho Ribeiro acusa o Presidente de “colaborar na destruição da família, deixando passar o aborto, o divórcio simplex, o casamento homossexual, o ‘apadrinhamento civil’ ou a ‘educação sexual obrigatória’ (e ideologicamente sectária), sem suscitar sequer a verificação da constitucionalidade”.

Argumentos que o PPV utiliza para justificar a decisão de Botelho Ribeiro de avançar para a campanha presidencial, “reivindicando uma voz ativa na defesa dos valores” do partido, afirmando apresentar uma “candidatura inconveniente” e de “inconformismo e alternativa pró-vida”.

“Há um espaço para defendermos o Estado Social e os princípios sociais da Igreja”, adiantou Carlos Sousa, que acrescentou que a candidatura do PPV repudia “o capitalismo selvagem, que o PS tem apoiado”, acusando ainda os socialistas de “atacar fortemente a família”.

O porta-voz rejeita que esta seja uma candidatura de direita, mas afirma que “também não é de esquerda”, sublinhando defender principalmente “os princípios de Cristo”, com destaque para os valores da família.

“Ao atacar o trabalho, a saúde, a educação, a habitação, está a atacar-se a família”, sustenta o representante do PPV.

A decisão de avançar com uma candidatura própria surge depois de o partido ter suscitado, na sua página na Internet, uma consulta sobre “eventuais candidatos presidenciais ‘votáveis’”, tendo sido os mais apontados o antigo ministro das Finanças Bagão Félix, Duarte de Bragança e o economista João César das Neves, personalidades que não avançaram para a corrida eleitoral.

O PPV já iniciou a recolha das 7.500 assinaturas necessárias para formalizar a candidatura presidencial, tendo reunido até ao momento cerca de 2.000.

Luís Botelho Ribeiro tem 42 anos, nasceu em Santo Tirso e é professor no departamento de Eletrónica Industrial da Universidade do Minho.

Criado no Norte do país no ano passado, o partido surgiu a partir do movimento de cidadãos Portugal Pró Vida, que no referendo de 2007 se manifestou contra a despenalização do aborto.

Nas legislativas de setembro de 2009, as primeiras eleições a que concorreu, o partido obteve 8533 votos (0,15 por cento).


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.