Açoriano Oriental
PSD/Congresso
Montenegro cita Sá Carneiro para sinalizar que não se calará

O candidato derrotado do PSD nas últimas diretas, Luís Montenegro, pediu este sábado “mais tolerância e menos crispação” ao partido, e citou o fundador Sá Carneiro para deixar um sinal de que não se calará.

article.title

Foto: PAULO CUNHA /LUSA
Autor: AO Online/ Lusa

“Eu darei o meu contributo longe dos cargos partidários e públicos, mas sempre perto para ajudar o PSD”, afirmou Montenegro, na sua intervenção perante o 38.º Congresso do PSD.

O antigo líder parlamentar do PSD terminou a sua intervenção assegurando que irá seguir o exemplo do fundador Francisco Sá Carneiro, citando o que este disse na Assembleia Nacional em 1972.

“O que não posso, porque não tenho esse direito, é calar-me, seja sob que pretexto for”, citou.

A intervenção de Montenegro foi ouvida com grande atenção por uma sala finalmente cheia e, se nas críticas ao Governo, foi muito aplaudido, também se ouviram expressões de desagrado - “ahhhhhh” - quando falou da unidade interna.

“Disse na noite das eleições que o PSD precisa de paz e unidade e precisa mesmo e todos temos de contribuir para isso. Todos devemos exigir de nós próprios aquilo que exigimos dos outros”, afirmou.

O antigo deputado defendeu que o partido precisa de se qualificar e de “refrescar o seu ambiente”.

“Há demasiada crispação e demasiada agressividade verbal. Há demasiado fanatismo até”, criticou, considerando que “o partido precisa de tolerância, de respeitar mais a liberdade e diminuir os seguidismos de fação”.

Ao longo da sua intervenção, Montenegro foi sendo várias vezes advertido pelo presidente da Mesa do Congresso de que já tinha ultrapassado o tempo, mas prosseguiu até aos 16 minutos, “seis vezes mais” do que o tempo de que dispunha, segundo Paulo Mota Pinto.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.