Aliança/ Congresso

Moção de Estratégia global de Santana Lopes aprovada com uma abstenção

 Moção de Estratégia global de Santana Lopes aprovada com uma abstenção

 

Lusa/Ao online   Nacional   10 de Fev de 2019, 11:15

O primeiro Congresso Nacional do partido Aliança aprovou este sábado, com apenas uma abstenção, a Moção de Estratégia Global da Comissão Instaladora Nacional, cujo primeiro subscritor é o líder do partido, Pedro Santana Lopes.

A moção, intitulada “Por um país às direitas”, refere que o partido quer afirmar-se e tornar-se “num grande partido político português e que dure várias gerações”.

O documento foi votado à 01:00, com cerca de uma centena de delegados presentes na sala, tendo merecido votos favoráveis de quase todos os presentes, à exceção de um, que se absteve.

Quanto a desafios eleitorais, o Aliança “apresentará listas próprias aos três atos eleitorais” deste ano, e quer mostrar-se aos portugueses “como a alternativa política”.

Além das três eleições que se disputam este ano – europeias, regionais na Madeira e legislativas – o partido tem os olhos postos também num futuro mais longínquo.

“Após o congresso, o empenho da Aliança nas eleições que se sucedem em 2019 não nos impedirá de começar a preparar também as eleições legislativas regionais dos Açores, em 2020, assim como as eleições autárquicas de 2021”, elenca o proponente, acrescentando que “em tempo devido” o partido “fará o balanço necessário e tomará uma decisão sobre as eleições presidenciais” de 2021.

Para as legislativas de outubro, Pedro Santana Lopes indica que o Aliança vai “apresentar-se aos portugueses com a profunda convicção de que a política deve ser feita por causas, por princípios e por valores”.

Assim, o partido mostra-se disponível “para integrar um governo de centro/direita”.

Apontando que “deve ser especialmente exigente com o chefe do Estado”, o partido salienta também que “acompanhará a ação do senhor Presidente da República com os diversos órgãos de soberania, e a relação de cada um deles com o povo português”.

Na moção, o partido acrescenta que “em devido tempo” fará “o balanço necessário e tomará uma decisão sobre as eleições presidenciais”.

O documento aponta ainda as 10 prioridades do partido: crescimento e competitividade, reduzir a carga fiscal, mais e melhor saúde, combate à corrupção, coesão social e territorial, cultura inovação e mar, educação para a civilização, a reforma do sistema político, uma nova voz na Europa, e Portugal no mundo.

Também o militante Celso Pereira Nunes apresentou uma moção alternativa, mas o documento não chegou a ser votado.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.