MNE português acredita que Bolsonaro vai manter relações intensas com Portugal

MNE português acredita que Bolsonaro vai manter relações intensas com Portugal

 

Lusa/Ao online   Nacional   23 de Dez de 2018, 11:09

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Augusto Santos Silva, mostrou-se hoje confiante que o novo Presidente brasileiro, Jair Messias Bolsonaro, irá manter fortes e intensas as relações diplomáticas entre os dois países.

“Do ponto de vista bilateral, espero e confio que o relacionamento seja tão intenso como é padrão, normal entre Portugal e Brasil”, afirmou à Lusa Santos Silva.

“Esse relacionamento muito intenso tem na sua base a afinidade histórica cultural e afetiva entre os dois povos, tem também a densidade das económicas entre os dois países e tem também afinidades respeitantes a políticas externas que espero que se mantenha”, acrescentou o ministro, recordando outro tipo de afinidades entre Portugal e Brasil.

“Tradicionalmente os dois países apostam muito no multilateralismo, na ideia de cooperação internacional, concertação para a resolução pacífica dos conflitos, agenda do desenvolvimento sustentável, comercio internacional, e confio que mais uma vez se reveja a convergência entre as duas políticas externas”, disse Santos Silva, que estendeu essa confiança às relações dentro da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

O “Brasil é um dos grandes países que fazem parte da CPLP” e “é uma referência incontornável para a comunidade” que fala português, sublinhou o governante português.

Jair Bolsonaro toma posse a 01 de janeiro como Presidente da República Federativa do Brasil depois de uma campanha eleitoral polémica, em que assumiu discursos associados à extrema-direita.

Durante a campanha, Bolsonaro criticou a política diplomática do país em África e defendeu uma estratégia isolacionista, mais alinhada com os interesses norte-americanos.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.