Ministra Helena André apela a "mais concertação e menos contestação"

Ministra Helena André apela a "mais concertação e menos contestação"

 

lusa   Nacional   29 de Mai de 2010, 22:36

A ministra do Trabalho e da Segurança Social, Helena André, disse hoje que "Portugal precisa é de mais concertação e menos contestação", reagindo à manifestação da CGTP.

A ministra afirmou que o Governo reconhece "o direito constitucional à manifestação", mas que "Portugal precisa mais concertação e menos contestação" e apelou a uma postura de diálogo.

Helena André falando aos jornalistas, em conferência de imprensa, aproveitou para "valorizar a posição de abertura de algumas organizações sindicais" respondendo à "postura de abertura e diálogo anunciada na passada semana pelo Governo" relativamente a "um pacto de emprego".

Neste sentido a ministra frisou que "o Governo pretende é concertação e não contestação" e apelou a uma união de esforços.

"A contestação não vai a lugar nenhum" sublinhou a ministra para apelar novamente "à concertação".

"É através do diálogo e da capacidade de unir forças que podemos ter um Portugal melhor mais coeso e que mereça a confiança daqueles que, neste momento, têm dúvidas sobre a nossa capacidade de ultrapassar esta crise económica internacional".

A ministra escusou-se a comentar o número de participantes na manifestação, cerca de 300 mil de acordo com a CGTP.

À Lusa o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP disse não ter dados sobre o número de pessoas que estiveram na manifestação.

Helena André afirmou que as medidas que o Governo tomou no âmbito do Programa de Estabilidade e Crescimento (PEC) são as necessárias para restaurar a confiança internacional em Portugal e garantir o emprego.

"As medidas tomadas pelo Governo no âmbito do Programa de Estabilidade e Crescimento e as medidas adicionais são fundamentais para a nossa economia e o nosso emprego e para restaurar a confiança internacional na República Portuguesa", afirmou Helena André.

A governante salientou em seguida: "se não agíssemos é que estávamos a pôr em causa os diretos dos trabalhadores portugueses".

Referindo-se às medidas de proteção do desemprego, a ministra afirmou que o Governo mantém os apoios à formação profissional e à contratação dos jovens e dos desempregados com vista a "reintegrarem-se mais rapidamente no mercado de trabalho".

A manifestação convocada para hoje pela CGTP visa protestar contra as medidas de austeridade anunciadas pelo Governo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.