Educação

Mariano Gago realça a importância do ensino à distância


 

Lusa / AO online   Nacional   8 de Nov de 2007, 14:56

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Mariano Gago, realçou a importância do ensino online para encurtar distâncias e permitir que mais pessoas possam participar em experiências educativas.
"As instituições de ensino à distância tendem a vencer a distância e não criá-la, através das tecnologias interactivas, que permitem que mais pessoas possam participar em experiências educativas", referiu o ministro, no âmbito da conferência europeia sobre ensino à distância, que decorre hoje e sexta-feira em Lisboa.

Realçando a responsabilidade das instituições de ensino na fomentação das novas metodologias de ensino online, Mariano Gago chamou também a atenção para o papel mais participativo do aluno na sua própria formação.

"São simplesmente mecanismos de apoio à auto-aprendizagem, ao ter à sua disposição diversa quantidade de informação, porque não é apenas lerem e terem acesso a sites de Internet, é também ter a possibilidade de comunicar, fazer perguntas, interagir com outros [alunos] que estão na mesma circunstância ou que sabem mais", disse.

Mariano Gago anunciou para 2008 nova legislação sobre o ensino à distância, escusando-se a fornecer mais pormenores.

A conferência sobre o ensino à distância, comemorativa do 20º aniversário da European association of Distance Teaching Universities, é organizada pela Universidade Aberta, que pretende ser a primeira instituição portuguesa de ensino totalmente online através de "um modelo de e-learning inovador e qualificado", onde o aluno pode trabalhar em casa, mas sempre acompanhado.

O método de ensino e-learning começou a ser usado na Universidade Aberta (UAb) em 2001, mas só este ano a instituição conseguiu colocar completamente online cinco das 20 licenciaturas e todos (12) os mestrados.

"O que o e-learning e a aprendizagem electrónica em geral trouxe de novo para a Universidade Aberta foi a possibilidade de reduzir consideravelmente a distância, de criar comunidades virtuais que trabalham em tempo real, disponibilizar material, e criar grupos de debate online vinte quatro horas por dia e sete dias por semana", disse à Lusa Carlos Reis, reitor da UAb.

Para Carlos Reis, "ainda não se pode fazer uma avaliação académica", mas tem-se verificado um "óptimo resultado social" na medida em que os alunos "trabalham em grupo, trocam mensagens, textos, debatem questões criam entre eles uma saudável competição para cada vez mais estar online e apresentar material".

A conferência, que se integra no programa oficial da Presidência Portuguesa da União Europeia, visa incentivar a cooperação entre universidades europeias, para a internacionalização dos cursos universitários online.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.