Açoriano Oriental
Marcelo pede desculpa se ofendeu "uma que seja das vítimas" de abusos na Igreja Católica

O Presidente da República dirigiu-se às vítimas de abusos sexuais, em particular por parte de responsáveis da Igreja Católica Portuguesa, pedindo desculpa se ofendeu "uma que seja" dessas pessoas com as suas declarações de terça-feira.

Marcelo pede desculpa se ofendeu "uma que seja das vítimas" de abusos na Igreja Católica

Autor: Lusa/AO Online

À saída de uma iniciativa na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa fez uma curta declaração aos jornalistas, com uma "primeira palavra" dirigida "às vítimas dos abusos sexuais, todos eles, mas nomeadamente em particular agora aqueles que vêm da parte de responsáveis da Igreja Católica, sacerdotes e outros responsáveis".

"E essa palavra é muito simples: é dizer-lhes que a minha intenção não foi ofender quando disse o que disse, mas se porventura entenderam, uma que seja das vítimas que está ofendida, eu peço desculpa por isso, porque não era esse o meu objetivo", afirmou o chefe de Estado.

"O meu objetivo era exatamente o contrário: o temer que muitas vítimas, por medo, por limitação, não tivessem falado e o número, que deveria ser ainda mais alto, tivesse ficado por onde ficou", acrescentou.

Na terça-feira, questionado sobre a recolha de 424 testemunhos de abusos sexuais contra crianças na Igreja Católica em Portugal, o Presidente da República disse não estar surpreendido, salientou que "não há limite de tempo para estas queixas" que têm estado a ser recolhidas, algumas relativas "há 60 ou há 70 ou há 80 anos".

"Significa que estamos perante um universo de pessoas que se relacionou com a Igreja Católica de milhões ou muitas centenas de milhares", prosseguiu Marcelo Rebelo de Sousa, concluindo: "Haver 400 casos não me parece que seja particularmente elevado, porque noutros países e com horizontes mais pequenos houve milhares de casos".

Face às críticas que as suas declarações suscitaram, o chefe de Estado divulgou uma nota a explicar que "este número não parece particularmente elevado face à provável triste realidade, quer em Portugal, quer pelo mundo", admitindo que "terá havido também números muito superiores em Portugal".

Depois, o Presidente da República falou para a RTP e para a SIC a reforçar a mesma mensagem, reiterando que 424 queixas lhe parece um número "curto" face ao que estima ser a realidade, declarando que aceitava democraticamente as críticas que recebeu, mas não as compreendia.

Os 424 testemunhos foram recolhidos pela designada Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, uma estrutura constituída por decisão da Conferência Episcopal Portuguesa e coordenada pelo pedopsiquiatra Pedro Strecht.

PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados