Maquinistas alemães voltam à greve


 

Lusa / AO online   Internacional   25 de Out de 2007, 11:55

Os maquinistas voltaram hoje a paralisar mais de metade dos comboios regionais e urbanos na Alemanha, para exigir um contrato colectivo separado dos outros ferroviários e aumentos salariais de cerca de 30 por cento.
O conflito com a administração dos caminhos-de-ferro alemães (DB) já dura há quatro meses, mas foi a primeira vez que o Sindicato dos Maquinistas (GdL) convocou uma greve de mais de um dia, das 2:00 (1:00 em Lisboa) até às 8:00 de sexta-feira (7:00 em Lisboa).

A greve afectou milhões de passageiros que utilizam diariamente os comboios regionais para chegar aos empregos, e os comboios urbanos que ligam a periferia ao centro em grandes cidades como Berlim, Munique, Hamburgo, Estugarda, Frankfurt e Colónia.

Segundo informações do GdL, dos 20 mil maquinistas que existem na Alemanha 12.100 trabalham nos comboios regionais e urbanos, e os restantes nos comboios de longo curso e de mercadorias.

No entanto, 4.400 maquinistas dos comboios regionais e urbanos têm o estatuto de funcionários públicos, o que legalmente os impede de fazer greve, sobrando assim cerca de sete mil maquinistas.

Destes, cerca de 5.600 (80 por cento) são filiados no GdL e voltaram a aderir esta quinta-feira maciçamente à paralisação de trabalho, garantiu o sindicato.

A DB recusa-se a assinar um contrato colectivo separado com os maquinistas, sublinhando que este grupo profissional perfaz apenas cinco por cento dos 300 mil trabalhadores da empresa.

O GdL recusou a proposta da administração que prevê 10 por cento de aumento salarial e um prémio único de dois mil euros, mas também um aumento do horário de trabalho de oito horas por mês.

A DB já celebrou um acordo com os restantes ferroviários que prevê aumentos salariais de 4,5 por cento, a partir de Janeiro deste ano, e um prémio único de 600 euros.

Os maquinistas foram proibidos pelo Tribunal de Trabalho da Saxónia de estender a greve aos comboios de longo curso e aos comboios de mercadorias, o principal factor económico da DB, mas recorreram da decisão, e o recurso será julgado a 02 de Novembro.

Apesar de a Constituição Alemã consagrar o direito à greve, esta forma de luta pode ser limitada, como fez o referido tribunal, que invocou que a paragem dos 30 mil comboios que circulam diariamente na Alemanha seria "desproporcionada", porque paralisaria o país, e afectaria gravemente a economia nacional.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.