Maior risco de morte prematura para europeus expostos a longo prazo à poluição

Maior risco de morte prematura para europeus expostos a longo prazo à poluição

 

Lusa/AO online   Internacional   9 de Dez de 2013, 08:46

Os europeus expostos a longo prazo às partículas de poluição do tráfego rodoviário ou industrial correm um risco maior de morte prematura, mesmo que a qualidade do ar cumpra as normas da União Europeia, revela um estudo.

Publicado na revista The Lancet, o estudo aponta o dedo às finas partículas de fuligem e à poeira, emissões que também estão a preocupar autoridades sanitárias em alguns países asiáticos, nomeadamente a China.

Cientistas liderados por Rob Beelen, da Universidade de Utrecht, na Holanda, observaram 22 estudos publicados que monitorizaram 367 mil pessoas em 13 países da Europa ocidental.

Os indivíduos, recrutados para os estudos nos anos 90, foram acompanhados ao longo de 14 anos. Durante esse período 29 mil morreram.

A equipa de Rob Beelen procurou no estudo obter leituras da poluição de tráfego entre 2008 e 2011.

A maior fonte de preocupação são as PM2.5, ou seja, partículas que medem menos de 2,5 mícrons (2,5 milionésimos de metro) e que podem causar problemas respiratórios e passar para a corrente sanguínea.

O estudo revelou que o risco de morte precoce subiu sete por cento em cada aumento de cinco microgramas de PM2.5 por metro cúbico.

"A diferença de cinco microgramas pode ser encontrada entre a uma estrada urbana ocupada e uma rua sossegada”, explicou Rob Beelen.

As normas da União Europeia estabelecem valores máximos de exposição ao PM2.5 de 25 microgramas por metro cúbico.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.