Saúde

Linha Saúde 24 rejeita críticas dos Farmacêuticos


 

Lusa/AOonline   Nacional   24 de Nov de 2008, 17:48

Os profissionais da Linha Saúde 24 rejeitaram as críticas da Ordem dos Farmacêuticos (OF) sobre a qualidade do aconselhamento terapêutico realizado por aquele serviço, garantindo que os comentários da OF não correspondem à realidade.
"Os comentários acerca da qualidade do serviço não têm qualquer tipo de aderência à realidade, sendo que neste caso o melhor juiz é definitivamente os milhares de utentes que já ligaram para a Saúde 24 e as chamadas diárias que recebemos que apenas têm por objectivo agradecer a ajuda prestada", afirmam os trabalhadores daquela linha, num abaixo-assinado divulgado hoje.

    A OF desaconselhou hoje o recurso à Linha Saúde 24 por não reconhecer a validade das informações prestadas por este serviço em matéria de medicamentos, "enquanto a entidade gestora não proceder à contratação de profissionais com competências adequadas".

    No abaixo-assinado, com mais de 120 nomes, constam supervisores, gestores de turnos, enfermeiros e alguns técnicos de farmácia ou farmacêuticos.

    Manifestando o seu "profundo desagrado" pelas notícias sobre a qualidade do serviço prestado, os subscritores acrescentam que "todas as referências efectuadas às condições de trabalho são grotescas, por não serem verdadeiras e as relações inter-pessoais se passarem dentro da maior cordialidade e profissionalismo".

    "Assim, vimos demarcar-nos claramente das prestações assumidas por um grupo de colegas, que mantendo um diferendo laboral com a LCS - Linha de Cuidados de Saúde não hesitaram em envolver a Saúde 24 distorcendo maldosamente a realidade", criticam.

    A Linha Saúde 24 foi criada em 2007 para dar assistência em cuidados de saúde, fazendo triagem e aconselhamento dos utentes, tendo em vista evitar que estes se desloquem aos hospitais e centros de saúde sem necessidade.

    "As recentes notícias vindas a público sobre o funcionamento deste serviço e os testemunhos de alguns colegas farmacêuticos que nele trabalharam reflectem, aliás, alguma desorganização no serviço e comprovam os receios da Ordem dos Farmacêuticos em relação às informações que são disponibilizadas à população", afirma a OF.

    Adianta que já solicitou uma reunião com a entidade gestora do serviço para analisar este "incumprimento do acto farmacêutico" e resolver um problema que considera "grave" e que "poderá inclusivamente colocar em causa a saúde e qualidade de vida" dos doentes e as terapêuticas que lhes foram prescritas.

    A agência Lusa tentou, sem sucesso, contactar os responsáveis pela Linha Saúde 24.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.