Líder do CDS-PP diz que há “boas razões” para o partido se afirmar como “primeira linha”

Líder do CDS-PP diz que há “boas razões” para o partido se afirmar como “primeira linha”

 

Lusa/Ao online   Nacional   9 de Mar de 2019, 12:56

A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, disse esta sexta feira que em cada ato eleitoral "os contadores vão a zero", pelo que há "boas razões" para o partido se afirmar como "primeira linha" nas europeias, nas regionais na Madeira e nas nacionais.

"Temos a melhor lista. Temos os melhores candidatos e as melhores candidatas. Temos as melhores ideias. Precisamos da vossa força", afirmou Assunção Cristas durante um jantar no Funchal, organizado pelo CDS-PP/Madeira, no âmbito do Dia Internacional da Mulher, que reuniu cerca de 600 mulheres.

A líder centrista realçou que em cada eleição "tudo é possível para todos os partidos", vincando que vê "boas razões" para o CDS se afirmar como uma "primeira linha" e uma "primeira escolha" já nas eleições europeias.

No jantar evocativo do Dia Internacional da Mulher participaram o cabeça de lista do CDS-PP às eleições para o Parlamento Europeu, Nuno Melo, e a candidata pela Madeira, Margarida Pocinho, que ocupa o quinto lugar.

Assunção Crista salientou o trabalho do presidente do CDS-PP/Madeira, Rui Barreto, considerando que o partido deve ambicionar a ser a "primeira escolha" nas eleições regionais, agendadas para 22 de setembro, uma vez que é o líder da oposição madeirense.

"E depois temos as eleições nacionais [em outubro] e nessas o que vos peço é toda a força que nos puderem dar, porque nós somos aqueles que efetivamente estamos para transformar, estamos para fazer", afirmou.

A dirigente centrista desafiou, por outro lado, as mulheres a afirmarem a sua posição numa época em que sociedade continua dominada pela intervenção masculina.

"Aquilo que vos peço é não tenham receio, não tenham vergonha, não se acanhem, não achem que não vale a pena falar porque já tudo fui dito, não achem que não têm nada para acrescentar porque já muitos homens falaram", declarou.

Assunção Cristas disse que enquanto mulher, mãe e líder partidária percebe as "dificuldades das mulheres" e percebe também como "esta coisa de ficarmos sempre em segundo plano e atrás dos homens tantas vezes nos penaliza e tantas vezes nos inibe que querer estar na linha da frente".

"Aquilo que vos peço é falem, falem, falem", realçou, sublinhando que "podem falar dez homens, mas esses dez homens, por muito bem que falem, não substituem certamente a intervenção de dez mulheres".



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.