Tabaco

Imagens chocantes podem percorrer escolas e espaços comerciais

Imagens chocantes podem percorrer escolas e espaços comerciais

 

Lusa / AO online   Nacional   21 de Nov de 2007, 17:08

Um bebé prematuro numa incubadora ou um feto morto, vítimas do fumo do tabaco, são algumas das imagens chocantes em exibição desde esta quarta-feira no Parlamento e que podem vir a percorrer as escolas do país.
Um dos corredores do novo edifício da Assembleia da República transformou-se esta quarta-feira no palco da campanha "O poder da comunicação contra o tabaco", que exibe 42 fotografias impressas em maços de cigarros de vários países.

"Uma pessoa que fume um maço por dia estará exposta mais de sete mil vezes por ano a estas advertências sobre os riscos para a sua saúde", lembrou Margarida Marques, chefe da representação da Comissão Europeia em Portugal, durante a cerimónia de abertura da exposição.

"As imagens ajudam os fumadores a visualizar o tipo de doenças causadas pelo consumo de tabaco, divulgando mais claramente os riscos para a saúde", acrescentou.

Um país onde a indústria tabaqueira não é obrigada a introduzir avisos pictóricos nos maços de tabaco tem agora patente na casa dos deputados uma exposição que pretende "mostrar a importância do impacto de imagens e mensagens fortes na luta contra o tabagismo na Europa a no resto do mundo".

A exposição, que neste momento só pode ser vista por quem visita a Assembleia, poderá percorrer o país, contou à Lusa a presidente da Comissão Parlamentar de Saúde, Maria de Belém.

"As escolas, universidades, hospitais e até os centros comerciais podem pedir à Assembleia da República a exposição, de forma a abrangermos um público mais alargado", disse Maria de Belém, que não quis adiantar pormenores sobre a possibilidade de Portugal vir a adoptar a obrigatoriedade de os maços de tabaco terem imagens.

Por enquanto, os visitantes podem ficar a conhecer os avisos usados em países como o Canadá, Singapura, Brasil, Austrália, Tailândia e Bélgica, primeiro estado da União Europeia a introduzir imagens dissuasivas nos maços de tabaco.

De acordo com Margarida Marques, a Roménia, Reino Unido, Finlândia e Letónia são os próximos países a aderir a esta campanha nas embalagens dos cigarros.

Segundo a exposição, a Austrália é o país onde os maços de tabaco têm os maiores avisos sobre o perigo de fumar: os alertas ocupam 30 por cento da frente do maço e 90 por cento da parte de trás.

Além de 14 imagens chocantes, todos os maços na Austrália têm um contacto telefónico e um endereço na Internet através dos quais se pode pedir ajuda para deixar de fumar. 

Tal como na Europa, também na Austrália foi proibido utilizar expressões como "light" ou "mild" nas embalagens, porque poderiam criar no consumidor a ideia de se tratar de cigarros menos prejudiciais.

Na União Europeia morrem anualmente cerca 1,9 milhões de pessoas vítimas de doenças cardiovasculares. Com esta campanha, Margarida Marques espera que o tabaco "perca definitivamente a aura de glamour".
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.