Açoriano Oriental
Greve da Portway com impacto "reduzido" em Lisboa e residual no Porto, Faro e Funchal, avança ANA Aeroportos

O impacto da greve dos trabalhadores da Portway no aeroporto de Lisboa é "reduzido" e "não é assinalável, até ao momento" nos aeroportos do Porto, Faro e Funchal, disse este sábado fonte da ANA - Aeroportos de Portugal.

Greve da Portway com impacto "reduzido" em Lisboa e residual no Porto, Faro e Funchal, avança ANA Aeroportos

Autor: AO Online/ Lusa

“A greve convocada pelo SINTAC [Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil] apresenta hoje, até ao momento, um impacto reduzido na operação das companhias aéreas assistidas pela Portway no Aeroporto Humberto Delgado” e “nos aeroportos do Porto, Faro e Funchal os impactos não são, até ao momento, assinaláveis”, indicou à Lusa, por escrito, fonte oficial da ANA Aeroporto de Portugal.

A 20 de dezembro, o SINTAC anunciou um pré-aviso de greve na Portway (empresa de assistência em terra nos aeroportos), para os dias 27,28 e 29 de dezembro nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro e Funchal, e, segundo o SINCAT adiantou hoje à Lusa, ao final da manhã, a adesão à greve rondava os “70%” e tinham sido cancelados três voos – dois da Easyjet e um da Brussels Airlines.

Para além dos cancelamentos de voos em Lisboa, o dirigente do SINCAT adiantou que existiam relatos de que havia “comandantes a fazer folhas de carregamento [de bagagem] à mão desde sexta-feira passada”, estando esses comandantes a assumir a responsabilidade que devia ser do departamento de ‘load control’ da Portway".

Fernando Simões referiu que o SINTAC estava com “muitas reservas e muita apreensão sobre a forma e a maneira como estão a ser efetuados os carregamentos”, que estão a ser feitos “na forma do 'desenrasca' sem ter os procedimentos de segurança que deveriam estar a ser cumpridos”.

Na altura do pré-aviso de greve, o SINTAC indicou que avançou para a greve porque a empresa, através dos seus administradores pertencentes ao grupo Vinci, "não cumpriu o devido descongelamento de carreiras no passado mês de novembro conforme tinha assinado em 2016".

O SINTAC referiu que, "como se ainda não bastasse", a empresa "começou a cortar abonos sociais e direitos adquiridos por todos os seus trabalhadores ao longo de 20 anos, não reconhecendo assim todo o esforço dos trabalhadores ao longo dos anos, e tudo isto com um único objetivo, o de não baixar os seus lucros a fim de poder encher ainda mais os cofres do grupo Vinci.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.