Governo dos Açores quer esclarecimento "total" sobre investigação de corrupção na ATA

Governo dos Açores quer esclarecimento "total" sobre investigação de corrupção na ATA

 

Lusa/AO Online   Regional   9 de Out de 2018, 09:04

O presidente do Governo dos Açores afirmou que quer um esclarecimento “total” em relação às suspeitas de corrupção na Associação de Turismo dos Açores, que estão a ser investigadas pelo Ministério Público.

Em relação à investigação em curso à Associação de Turismo dos Açores (ATA), da qual o Governo Regional é um dos sócios, Vasco Cordeiro afirmou que “o único comentário que é possível fazer nesta circunstância é o de desejar que se esclareça tudo o mais rapidamente possível, de forma total e completa”.

Acrescentou que o Governo tem “uma auditoria que está a decorrer no âmbito da relação entre a entidade financiadora e a Associação de Turismo dos Açores - esse é um dos dados, ou é um dos elementos de informação com que estamos a trabalhar".

"Continuamos, naturalmente, a acompanhar essa situação de forma muito próxima, mas fundamentalmente, o que é essencial é que tudo se esclareça de forma total e cabal e é nisso, também, que o Governo está empenhado”, afirmou o líder do executivo regional.

Vasco Cordeiro (PS) falava aos jornalistas, em Ponta Delgada, à saída de uma audiência com o presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), Pedro Costa Ferreira.

O presidente da associação falou acerca do 44.º Congresso Nacional da APAVT, que se realiza entre 22 e 25 de novembro, no Teatro Micaelense, em Ponta Delgada, e para o qual convidou o chefe do Governo a presidir à abertura.

O congresso “vai discutir e vai analisar os desafios do crescimento”, numa altura que considera ser boa, uma vez que se vive "um momento de final de ciclo, com algumas forças motrizes a perderem alguma força, e é o momento exato para analisar quais os próximos caminhos, de maneira a que o novo ciclo seja, igualmente, um ciclo de crescimento”, esclareceu Pedro Costa Ferreira.

Vasco Cordeiro considera que a realização do congresso em Ponta Delgada “é um momento muito importante para os Açores, não apenas nessa perspetiva de acolher, mas na perspetiva de participar, também, neste debate à volta daquilo que devem ser os caminhos do futuro”, sublinhando que “é também um fator de notoriedade daquilo" que está a ser feito no setor do turismo.

"E aqui o ‘estamos’ não é apenas a parte pública, é tudo aquilo que os Açores estão a fazer no setor turístico”, sublinhou.

Sobre o futuro do setor na região, as visões parecem estar alinhadas, já que sustentabilidade é a palavra de ordem.

Para Pedro Costa Ferreira, a sustentabilidade “é o coração do próximo ciclo, é a noção de que não há apenas o curto prazo; mais do que isso, é a noção de que é o médio e o longo prazo que produz o bem-estar das populações e que faz progredir”, acrescentando que “os Açores são o perfeito exemplo de harmonia entre crescimento e preservação da sustentabilidade”.

O dirigente ressalva, no entanto, que “rendimentos passados não garantem rendimentos futuros" e, por isso, é necessário "ter o cuidado de continuar a preservar essa peça fundamental do turismo açoriano que é as condições naturais absolutamente intocáveis e a capacidade de fornecer autenticidade”.

Para o Governo Regional, a sustentabilidade “constitui uma forma de induzir uma mudança da questão da quantidade para a questão do valor, para a questão da qualidade”, afirmou Vasco Cordeiro, que salientou a aposta estratégica do executivo na certificação da região como destino sustentável.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.