Governo dos Açores considera "bem enquadrada" legislação sobre ordenamento de território

Governo dos Açores considera "bem enquadrada" legislação sobre ordenamento de território

 

Lusa/AO Online   Regional   7 de Out de 2013, 14:52

O secretário regional dos Recursos Naturais do Governo dos Açores considerou hoje que a legislação existente sobre a gestão da orla costeira no arquipélago está "bem enquadrada", não havendo necessidade de a alterar, como defende o PCP.

“Penso que estão, de uma forma geral, bastante bem enquadradas todas as intervenções que são necessárias regulamentar e acautelar em cada um dos nossos territórios”, disse Luís Neto Viveiros.

O secretário regional dos Açores falava aos jornalistas no final de uma audição na comissão de Assuntos Parlamentares, Ambiente e Trabalho da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores sobre uma proposta do PCP que recomenda ao Governo Regional que proceda a um levantamento e delimitação sistemáticos da titularidade, responsabilidade e competência das diversas entidades envolvidas na gestão, proteção, manutenção e ordenamento das zonas costeiras e de falésia no arquipélago.

Neto Viveiros considera que existe um enquadramento da “correta gestão” do território nos Açores, bem como “mecanismos de gestão rigorosa”, não lhe parecendo ser necessário a adoção de “qualquer medida” suplementar.

O titular da pasta dos Recursos Naturais no Governo dos Açores admite “alguma dificuldade” na gestão de alguns casos devido à “sensibilidade” desta matéria, a par da “densidade” da legislação existente, mas refuta uma eventual “sobreposição de competências” por parte das entidades envolvidas, tais como o Governo dos Açores e as câmaras municipais.

Neto Viveiros sublinha que em relação a potenciais conflitos na gestão de casos de ordenamento do território, a legislação “abrange esta possibilidade” dentro de “cada uma das áreas de intervenção”, a nível do poder local ou de ilha.

“Existe muita legislação, sendo bom que assim seja, porque são, de facto, matérias sensíveis e que devem estar devidamente reguladas”, considera.

Na sua leitura, está “perfeitamente clarificado” na legislação em vigor quais são as entidades (Governo dos Açores ou municípios) que devem gerir estas zonas e “assumir” também as “suas responsabilidades” consoante os planos definidos.

O administrador da Associação de Municípios da Região Autónoma dos Açores (AMRAA) Nuno Martins, também ouvido na comissão parlamentar, considera que é claro que em matéria de ordenamento do território esta gestão cabe ao Estado, no caso específico dos Açores, ao Governo Regional, não considerando que haja a necessidade de mais legislação sobre esta matéria.

Nuno Martins admite, contudo, que se possa trabalhar no sentido de “estudar uma solução” que evite o “atropelamento de competências”.

Nuno Martins considera, no entanto, ser claro que no caso específico de zonas protegidas a competência de gestão é do Governo dos Açores e não do poder local.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.