Erdogan sugere referendo para saber se Turquia mantém desejo de entrar na UE

Erdogan sugere referendo para saber se Turquia mantém desejo de entrar na UE

 

Lusa/Ao online   Internacional   5 de Out de 2018, 08:55

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, admitiu esta quinta feira novamente a possibilidade de realização de um referendo para os turcos decidirem se continuam a desejar a entrada na União Europeia (UE).

Em discurso num fórum internacional, Erdogan frisou que Turquia e UE têm muito para contribuir a cada um, embora tenha criticado que os 28 Estados-membros estão a deixar o país turco à espera.

"Mas, se isto continua assim, com esta mentalidade, é manchete para os jornais de amanhã. O nosso dever é provavelmente nos dirigirmo-nos a 81 milhões de pessoas na Turquia e ver o que os 81 milhões decidem", afirmou o chefe de Estado turco.

A Turquia começou as conversações com a UE em 2005, mas o processo não progrediu devido, entre outras matérias, a questões relacionadas quanto aos direitos humanos e o Estado de Direito na Turquia.

Na segunda-feira, o Parlamento Europeu decidiu retirar os 70 milhões de euros de fundos destinados à Turquia como país candidato à adesão à UE, devido à falta de melhorias em matéria de Estado de Direito e direitos fundamentais.

Em sessão plenária, em Estrasburgo, os eurodeputados decidiram, por 544 votos a favor, 28 contra e 74 abstenções, que os 70 milhões de euros que se destinavam à Turquia irão agora ser canalizados para programas direcionados para os países vizinhos, nomeadamente para ajuda humanitária, ações na rota migratória do Mediterrâneo central, e compromissos da UE com a Síria.

Em novembro de 2017, o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu optaram por ‘cativar’ 70 milhões de euros dos fundos reservados à Turquia, que seriam entregues caso o Governo turco, presidido por Recep Tayyip Erdogan, empreendesse melhorias “quantificáveis e suficientes” em âmbitos como o Estado de Direito, a democracia, os direitos humanos ou a liberdade de imprensa.

Todavia, o relatório anual da Comissão Europeia sobre a Turquia, publicado em abril deste ano, concluiu que este país se tinha “distanciado significativamente da UE, em particular nas áreas do Estado de Direito e dos direitos fundamentais”, através do “enfraquecimento do controlo e de equilíbrios efetivos no sistema político”.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.