Dulce Jacinto e Carlos Alves integram administração da Caixa Económica Montepio Geral


 

Lusa/Ao online   Nacional   26 de Jan de 2019, 00:55

 Dulce Mota Jorge Jacinto e Carlos Francisco Ferreira Alves iniciaram funções no Conselho de Administração da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG), após aprovação do Banco de Portugal, foi anunciado esta sexta feira.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), “a Caixa Económica Montepio Geral, caixa económica bancária, S.A. (CEMG) informa que, em conformidade com as autorizações concedidas pelo Banco de Portugal, iniciaram funções” os dois novos membros do Conselho de Administração da CEMG.

Dulce Maria Pereira Mota Jorge Jacinto iniciou funções de administradora executiva em 09 de janeiro, assumindo a vice presidência executiva, e Carlos Francisco Ferreira Alves passou a desempenhar funções de administrador não executivo e membro da Comissão de Auditoria em 15 de janeiro.

O Conselho de Administração da CEMG, banco mutualista, tem Carlos Tavares como presidente executivo e presidente não executivo (‘chairman’), contando com sete vogais não executivos e seis vogais executivos.

Em 03 de janeiro, o banco Montepio e a Associação Mutualista Montepio disseram que escolheram João Ermida para presidente não executivo do banco e que o Banco de Portugal (BdP) estava a analisar esta proposta.

Carlos Tavares tem vindo a exercer em conjunto os cargos de presidente executivo e do Conselho de Administração da Caixa Económica Montepio Geral (CEMG), acumulação que o Banco de Portugal autorizou até inícios de 2019.

João Ermida fez carreira no Grupo Santander, tendo saído em 2003 desiludido com o sistema financeiro, segundo disse em entrevista à Visão publicada em 2017.

A CEMG teve lucros de 15,8 milhões de euros no primeiro semestre, mais 21,1% face ao mesmo período de 2017, para o que contribuiu a queda das provisões para crédito.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.