Dez casos de leptospirose nos Açores até Julho

Dez casos de leptospirose nos Açores até Julho

 

Paulo Faustino   Regional   18 de Out de 2009, 22:08

Entre Janeiro e Julho foram registados dez casos de pessoas com leptospirose nos Açores, apenas menos um do que em todo o ano de 2008.

A informação é avançada pela Secretaria Regional da Saúde e dá conta que a esmagadora maioria das situações provocadas pela "doença dos ratos" teve lugar na ilha de São Miguel (9), mais precisamente nos concelhos de Ponta Delgada e Lagoa, com quatro casos cada, e um no da Ribeira Grande. Em Angra do Heroísmo, na Terceira, uma pessoa foi confirmada como portadora de leptospirose.

No ano passado foram detectados onze casos, todos em São Miguel, mas foi em 2007 que a doença causada pelo contacto humano com a urina de rato teve um crescimento mais significativo: 29 casos. Em qualquer dos anos, existe um denominador comum: a doença atinge especialmente quem vive no campo e os agricultores, por realizarem trabalhos em estão mais vulneráveis ao contágio pela leptospira, a bactéria que causa a leptospirose e que pode levar à morte. Por exemplo, colocam as mãos na terra, em rações para animais e em tanques de água para o gado, que já pode estar contaminada.

Em 2009, até ao mês de Julho, o número de portadores de leptospirose já quase atingiu o total verificado em 2008. O que antevê a possibilidade de, no final deste ano, o número de casos sofrer um aumento.

Fonte da Secretaria da Saúde desdramatiza a situação alegando que a doença actualmente "já não é tão perigosa" como era no passado, sobretudo se for descoberta a tempo. A última morte em resultado de leptospirose aconteceu há cerca de três anos na ilha do Pico. Mas, entre 2003 e 2006, morreram 15 pessoas devido aos efeitos da bactéria leptospira.

Maior incidência nos Açores

Segundo um estudo epidemiológico realizado ao abrigo do Acordo de Cooperação e Defesa entre Portugal e os Estados Unidos pela utilização da Base da Lajes, os Açores são a zona de maior incidência desta doença no cômputo geral do país. Uma constatação provada pelo facto de só, entre 2004 e 2008, período em que a doença conheceu um "boom", terem sido dados como positivos 163 casos de um conjunto de 437 indivíduos com suspeita de infecção.

O estudo, denominado "Epidemiologia e controlo da leptospirose na Região Autónoma dos Açores", permitiu aferir a existência de uma média anual de 20 casos notificados às autoridades regionais de saúde, até 2007. Também deu a saber que a doença atinge 11 casos por cada cem mil habitantes no arquipélago, uma incidência dez vezes superior ao resto do país.

O Governo já considerou a doença um problema de saúde pública e uma permanente ameaça na Região, tendo em conta a forte implantação e a importância da actividade agropecuária nas ilhas.*

*Leia a notícia na íntegra na edição impressa do Açoriano Oriental de 19 de Outubro de 2009.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.