Desastre em mina na Ucrânia provoca 63 mortos

Desastre em mina na Ucrânia provoca 63 mortos

 

Lusa / AO online   Internacional   19 de Nov de 2007, 13:10

Uma explosão provocada por gás metano na mina Zassiadko, na região hulhífera de Donetsk, Ucrânia, fez pelo menos 63 mortos, desconhecendo-se o paradeiro de 27.
Estes números transformam este acidente no maior da história da indústria mineira na Ucrânia.
Iúri Zaets, presidente do comité sindical da mina, considera que "são muito poucas as esperanças de salvar os restantes mineiros que se encontram debaixo da terra".
Segundo ele, as brigadas de salvamento têm de "superar os obstáculos criados pela queda de terras e pelas máquinas destruídas pelo acidente".
Na segunda-feira, o Presidente da Ucrânia, Victor Iuschenko, efectuará uma visita de trabalho à região de Donetsk.
O principal objectivo desta viagem é estudar a forma como estão a ser conduzidas as operações de resgate na mina Zassiadko, informou o centro de imprensa da Presidência ucraniana.
Iuschenko irá também discutir com especialistas a reorganização da indústria mineira, nomeadamente as medidas a tomar para tornar mais segura a extracção de carvão nas minas ucranianas.
"Chamo a vossa atenção para o facto dos esforços insuficientes do governo na reorganização da indústria do carvão, particularmente no que respeita a medidas para aumentar a segurança do trabalho nas minas", assinalou o Presidente da Ucrânia, Victor Iuschenko, numa carta enviada ao primeiro-ministro, Victor Ianukovitch.
Segundo estatísticas oficiais, as minas de carvão ucranianas são as mais perigosas do mundo.
As principais causas de tão grande sinistralidade são as particularidades da disposição das camadas de carvão e as condições geológicas e térmicas extremamente complexas, únicas no mundo.
A profundidade média das minas é de cerca mil metros.
A alta sinistralidade nas minas ucranianas está também ligada ao facto das empresas não investirem na sua modernização.
Um terço das 165 minas em funcionamento na Ucrânia começaram a ser exploradas há mais de 100 anos e muitas delas não são modernizadas há muitos anos.
Nos últimos 20 anos, apenas oito minas foram reconstruídas.
Segundo dados do Departameno de Estado de Vigiância Industrial e Mineira da Ucrânia, 75 por cento das minas desse países encontram-se na primeira categoria de perigo de explosão de metano e 35 por cento, de perigo de explosão de pó carbonífero.
Entre Janeiro e Julho deste ano, 150 mineiros morreram devido a acidentes em minas ucranianas e seis mil ficaram feridos.
Segundo dados da Organização Mundial dos Mineiros, anualmente, dois mineiros perdem a vida por cada milhão de toneladas de carvão extraído.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.