Deputado acusa Madonna de violar lei que proíbe promoção da homossexualidade

Deputado acusa Madonna de violar lei que proíbe promoção da homossexualidade

 

Lusa/AO online   Cultura e Social   10 de Ago de 2012, 18:50

O deputado da assembleia legislativa de São Petersburgo, Vitali Milonov, acusou hoje a cantora norte-americana Madonna de violar uma lei local que proíbe a propaganda da homossexualidade e da pedofilia para públicos menores de idade.

A estrela ‘pop’ realizou na quinta-feira um concerto na cidade de São Petersburgo, durante o qual proferiu frases de apoio à comunidade homossexual russa.

“Temos de punir Madonna ou os organizadores [do concerto]”, afirmou Milonov, em declarações à agência Interfax.

O deputado referiu que existem gravações de vídeo que comprovam que entre o público que assistiu ao concerto de Madonna estavam “crianças de 12 anos”, e como tal a lei devia ser aplicada.

Vitali Milonov foi o autor da polémica lei, que as minorias sexuais russas consideram discriminatória.

Durante a atuação em São Peterburgo, a cidade natal do atual Presidente russo, Vladimir Putin, a cantora fez uma inflamada defesa dos direitos dos homossexuais russos, cujas associações estão proibidas de celebrar marchas de orgulho gay.

“Queremos lutar pelo direito de sermos livres. Tenho viajado muito pelo mundo e vejo que as pessoas estão cada vez mais intolerantes, mas podemos mudar isso. Temos força para isso”, disse Madonna.

A cantora, que na terça-feira durante um concerto em Moscovo já tinha suscitado polémica ao pedir abertamente a libertação do grupo ‘punk’ feminino russo Pussy Riot, julgado por cantar contra Putin numa catedral ortodoxa, assegurou que o “amor” é a única coisa que pode mudar o mundo.

Durante o concerto de São Petersburgo foram distribuídas pulseiras cor-de-rosa, um símbolo do apoio às minorias.

“As pulseiras fazem parte do espetáculo. Estejam preparados para levantar as mãos em sinal de apoio”, afirmou a cantora na sua página na Internet horas antes do concerto.

Esta semana, várias organizações russas, algumas ligadas à religião ortodoxa, contestaram a realização dos concertos da estrela norte-americana e convocaram algumas ações de protesto.

Alguns ativistas homossexuais russos também apontaram o dedo à artista e criticaram a sua postura.

“Não é suficiente dizer algumas palavras a favor dos homossexuais entre duas canções durante um concerto. Se uma pessoa se assume como defensora dos direitos humanos, ela deve fazer algo mais sério”, afirmou, na quinta-feira, um líder local da organização Gay Russia Iouri Gavrikov.

O mesmo representante acusou Madonna de “hipocrisia”, uma vez que a cantora optou por atuar na Rússia e em especial em São Petersburgo, cidade que adotou em fevereiro passado uma lei “homofóbica”.

Na Rússia, a homossexualidade foi considerada crime até 1993 e uma doença mental até 1999.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.