Tancos

Demissão de ministro é mais um motivo para inquérito parlamentar, defende CDS


 

Lusa/Ao online   Nacional   13 de Out de 2018, 07:47

O CDS-PP considerou esta sexta feira que a demissão do ministro da Defesa é mais um motivo que justifica a comissão de inquérito ao furto de armas em Tancos e deixa Azeredo Lopes “à vontade” para responder.

“Se há questões tão relevantes que justificam a demissão de um ministro é por que certamente justificam também uma comissão de inquérito”, afirmou à agência Lusa o vice-presidente do grupo parlamentar centrista, num comentário à saída do Governo de Azeredo Lopes.

João Almeida acrescentou que a demissão do ministro, hoje, “confirma aquilo que o CDS, na argumentação que fez para a comissão de inquérito, invocou, que havia muito por esclarecer”.

Agora que já não está no Governo, o deputado centrista considera que o agora ex-ministro “estará mais liberto e à vontade para poder responder, na comissão de inquérito, sobre o que saberá que aconteceu relativamente a Tancos”.

A criação da comissão parlamentar de inquérito, proposta pelo CDS, tem debate agendado no parlamento para dia 24 de outubro e será votada dois dias depois, tendo já a sua aprovação garantida.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.