Açoriano Oriental
Covid-19: Marcelo visita Nordeste no domingo

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, desloca-se no domingo a São Miguel onde irá visitar o concelho do Nordeste, o que registou mais casos e mais mortes por covid-19 no arquipélago.

Covid-19: Marcelo visita Nordeste no domingo

Autor: AO Online/ Lusa

A visita do PR foi conhecida na sexta-feira, dia em que os Açores ficaram livres de casos ativos de covid-19, após a recuperação do último infetado.

Marcelo Rebelo de Sousa irá ao Nordeste visitar o Centro de Saúde e o lar de idosos, que registou a maioria das mortes nos Açores.

No total, foram detetados na região 146 casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença covid-19, verificando-se 130 recuperados e 16 óbitos.

Dos 146 casos, 108 foram registados São Miguel, 11 na Terceira, cinco na Graciosa, sete em São Jorge, dez no Pico e cinco no Faial.

As ilhas das Flores, Corvo e Santa Maria mantiveram-se livres do novo coronavírus.

Todos os seis concelhos da ilha de São Miguel, a mais afetada pela pandemia, estiveram com cercas sanitárias de dois a 30 de abril, para evitar a transmissão comunitária.

O primeiro concelho a ter uma cerca sanitária nos Açores foi o da Povoação, a 30 março, tendo sido a segundo concelho português a ficar isolado devido à covid-19, depois de Ovar.

O levantamento das cercas sanitárias em São Miguel ocorreu a 02 de maio, mas apenas em cinco concelhos, uma vez que o concelho do Nordeste permaneceu com cordão sanitário até 18 de maio.

A cerca sanitária no Nordeste foi justificada por aquele ter sido o concelho que registou mais casos nos Açores, 54.

Foi também naquela vila com cerca de cinco mil habitantes, localizada numa das extremidades da ilha de São Miguel, que ocorreram 12 dos 16 óbitos na região, todos utentes da estrutura residencial para idosos da Santa Casa da Misericórdia do Nordeste.

O primeiro desses casos foi o de uma utente de 88 anos, que contraiu a infeção no Hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, depois de lhe ter sido transmitida por uma profissional de saúde.

Essa utente acabaria por ser a primeira vítima mortal com covid-19 nos Açores, registada a oito de abril.

A cadeia de transmissão com origem na Povoação transitou para o Hospital de Ponta Delgada e propagou-se a partir do Lar de Idosos do Nordeste, tornando-se a maior cadeia de transmissão dos Açores e infetando 74 pessoas.

Para conter o surto de covid-19 nos Açores, o Governo Regional suspendeu a operação do grupo SATA, interrompendo as ligações inter-ilhas (entretanto retomadas a 29 de maio) da SATA Air Açores e as ligações entre o arquipélago e o exterior da Azores Airlines (estando a retoma com o continente prevista para 15 junho).

O executivo regional também colocou desde 14 de março todos os passageiros vindos do exterior em quarentena, que passou a ser obrigatoriamente realizada em unidade hoteleira específica a partir 26 março.

Medida que o Governo Regional reverteu na sequência de uma decisão do Tribunal de Ponta Delgada, que, devido a um pedido de ‘habeas corpus', considerou as quarentenas inconstitucionais.

Em alternativa, o governo açoriano apresentou quatro alternativas para os passageiros que chegam à região: apresentar teste negativo à chegada, submeter-se a um teste de despiste no desembarque, realizar quarentena voluntária em hotel, ou abandonar a região.

Desde o início do surto, os dois laboratórios de referência dos Açores fizeram cerca de 25 mil testes à covid-19.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 392 mil mortos e infetou mais quase 6,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Em Portugal, morreram 1.465 pessoas das 33.969 confirmadas como infetadas, e há 20.526 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.