Conselho de Opinião da RTP defende maior informação de proximidade nos Açores

Conselho de Opinião da RTP defende maior informação de proximidade nos Açores

 

Lusa/AO online   Regional   25 de Set de 2018, 18:02

O Conselho de Opinião da RTP defendeu que os desafios da rádio e televisão públicas nos Açores passam por "uma maior informação de proximidade" e "o aumento de produção própria com qualidade, inovação e criatividade".

“A nossa prioridade é que se faça melhor rádio e televisão e que os Açores estejam presentes no continente com mais qualidade, com mais criatividade, com mais programação própria. Essa é que é a nossa concentração”, afirmou o presidente do Conselho de Opinião da RTP, Manuel Coelho da Silva.

O responsável falava em declarações aos jornalistas após uma audiência, em Ponta Delgada, São Miguel, com o presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro.

Manuel Coelho da Silva sublinhou que foram constatadas "melhorias" nos Açores, sobretudo em infraestruturas e equipamentos, mas frisou que há "outros desafios" que passam por "uma maior informação de proximidade" e também pela formação, lembrando o papel do serviço público de rádio e televisão nos Açores em caso de catástrofes.

“Os desafios são fazer melhor, fazer mais, fazer acontecer uma rádio e uma televisão regionais que sejam fator de coesão e conhecimento entre todos e que ao mesmo tempo leve também daqui para o continente o princípio da coesão nacional e divulgar para o todo europeu aquilo que somos e estamos a fazer”, sustentou.

O responsável admitiu que, provavelmente, serão necessários mais recursos humanos e mais meios para atingir aqueles desafios, mas considerou que "é preciso sobretudo que isso seja feito com projetos concretos" que reflitam "o trabalho que a empresa pública presta na região de coesão regional e de coesão nacional".

Além de São Miguel, o Conselho de Opinião vai ainda visitar as instalações na ilha Terceira e estabelecer contactos com representantes dos trabalhadores.

O presidente do Governo açoriano salientou o trabalho feito nos sentido de melhorar as condições de funcionamento do serviço na região, nomeadamente em termos de instalações e algum equipamento técnico, mas alertou que “as necessidades do serviço público de rádio e televisão dos Açores não se esgotarem na satisfação desta questão de melhores instalações e algum equipamento”, nas ilhas de São Miguel, Terceira e Faial.

“Há necessidades que interessa também acudir do ponto de vista de equipamento, de vária natureza, e também de recursos humanos, quer do ponto de vista da sua qualificação e formação, quer do ponto de vista da capacidade que este serviço terá para cumprir cabalmente o seu papel”, sublinhou.

Vasco Cordeiro sustentou ainda que “o interesse do Governo Regional” é que a região tenha “um serviço público de rádio e televisão que cumpra e cumpra bem o seu papel”.

O presidente do executivo açoriano socialista destacou que “este encontro acresce ao trabalho que é feito, de forma mais direta e mais permanente, pelo representante da Região Autónoma dos Açores, José Lourenço, no Conselho de Opinião”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.