Liderança PSD/A

Cinco Comissões Políticas de Ilha querem Berta Cabral como presidente do PSD/A


 

Lusa/AOonline   Regional   22 de Out de 2008, 18:41

Os líderes do PSD nas Flores, Faial e Santa Maria anunciaram o seu apoio a uma candidatura de Berta Cabral à presidência do partido nos Açores, na sequência da demissão do actual presidente, Costa Neves.
Com mais estes três apoios já são cinco as comissões políticas das nove ilhas que manifestaram apoio à presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada e vice-presidente do PSD/Açores para avançar com uma candidatura à liderança do partido no arquipélago.

    Berta Cabral é um dos nomes mais falados internamente para suceder a Carlos Costa Neves, que anunciou, na noite das eleições regionais de domingo, que pretendia deixar o cargo, devido aos resultados eleitorais.

    Numas eleições legislativas que deram nova maioria absoluta ao PS/Açores, os sociais-democratas obtiveram 30,27 por cento dos votos e elegeram 18 deputados, contra os 30 mandatos dos socialistas.

    Questionada hoje pelos jornalistas, Berta Cabral remeteu qualquer posição sobre a sua eventual candidatura para depois da reunião da Comissão Política Regional, na sexta-feira.

    O líder do PSD na ilha das Flores, António Maria Gonçalves, defendeu hoje que Berta Cabral "reúne todas as condições para assumir a presidência do partido" e, por isso, tem o "apoio unânime" dos militantes florentinos.

    "A doutora Berta já deu provas de ser uma boa líder e há um grande carinho por ela em todas as ilhas, por ser uma grande referência no partido", afirmou à agência Lusa António Maria Gonçalves, eleito domingo para mais um mandato como deputado pelo PSD no parlamento açoriano.

    A comissão política da ilha do Faial (CPI) também apontou Berta Cabral como a melhor sucessora de Carlos Costa Neves, que assumiu em 2005, pela segunda vez, a liderança do PSD/Açores.

    Para Luís Garcia, do PSD/Faial, Berta Cabral é uma "militantes desejada dentro e fora do partido" e uma pessoa "capaz de implementar uma liderança forte e mobilizadora, o que é necessário para o novo ciclo político que agora se inicia".

    Segundo Luís Garcia, é tempo do partido se reorganizar internamente para construir uma "oposição e uma alternativa de governo credível".

    Também Aida Santos, da CPI de Santa Maria, adiantou que Berta Cabral é "a melhor solução para a liderança do partido" nesta fase, por reunir "garra e experiência".

    "O PSD/Açores não pode estar num vazio e funcionar com soluções administrativas e líderes transitórios", afirmou Aida Santos, acrescentando que "o partido tem de estar unido" para enfrentar os actos eleitorais agendados para 2009.

    Na terça-feira os presidentes das comissões políticas das ilhas Terceira e Graciosa anunciaram o seu apoio a Berta Cabral, caso avance com uma candidatura às eleições directas do PSD/Açores.

    No mesmo sentido vai a opinião de Cláudio Lopes, presidente do PSD da ilha do Pico, para quem Berta Cabral constitui o "melhor capital político" dos sociais-democratas da região autónoma.

    Realçando que falava como militante de base, uma vez que a CPI do Pico só reúne quinta-feira, Cláudio Lopes adiantou à Lusa que a autarca é a "melhor preparada e configura uma candidatura forte" à sucessão de Carlos Costa Neves.

    A Comissão Política Regional do PSD/Açores reúne-se sexta-feira, em Ponta Delgada, para analisar os resultados das regionais, uma reunião que deverá servir para Costa Neves oficializar a sua demissão.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.