Política

César quer mais fiscalização no Rendimento Social de Inserção

César quer mais fiscalização no Rendimento Social de Inserção

 

Lusa/AO online   Regional   13 de Out de 2008, 01:03

“É preciso mais fiscalização, mais rigor, porque eu não quero que meia dúzia de preguiçosos comprometam uma medida que tem ajudado milhares de famílias a se libertarem da miséria e a terem um novo projecto para as suas vidas”, salientou Carlos César.
O dirigente socialista, que concorre a um quarto mandato como presidente do Governo Regional, falava num comício na vila da Povoação, no seu regresso à ilha de São Miguel - a maior do arquipélago - onde vai cumprir os restantes dias de campanha até às eleições de 19 deste mês.
No pavilhão da escola local, desta vez sem o jantar habitual dos comícios nas outras ilhas, César anunciou que pretende, assim, alterar algumas regras do RSI.
“Vamos pedir aos núcleos locais de inserção social, em que estão representadas as autarquias e as juntas de freguesia, para passarem a ser mais rigorosos, atentos e fiscalizadores”, adiantou o líder dos socialistas açorianos.
Apesar de admitir a necessidade destas alterações, Carlos César salientou que existem menos 17 mil pessoas a receber esta prestação nos últimos oito anos, por terem ganho suficiência económica.
Além disso, metade dos beneficiários do RSI nos Açores tem menos de 18 anos e mais de 65, ou seja sem idade de trabalhar, disse César, ao garantir que a prestação média nas ilhas é mais baixa do que no resto do país.
A uma semana das eleições, o candidato socialista afirmou, também, “que vão começando a ocorrer algumas coisas menos bem” na campanha que termina sexta-feira, apesar da “delicadeza custar pouco, mas valer muito”.
“Agora é o esquerdista da linha de Cascais, o esquerdista de colarinho branco, dr. Louçã, que vem aos Açores dizer que eu tenho um comportamento indecente e que me acusa de fazer estradas para fazer favores a quem faz obras”, criticou.
Depois de adiantar que o líder do BE não lhe conhece de “parte nenhuma”, Carlos César garantiu que o “PS/Açores há 12 anos que governa e não faz favores a ninguém, porque governa para todos os açorianos sem excepção nem favoritismos”. 
Alertou, ainda, que a próxima legislatura será fundamental para os Açores, tendo em conta o novo Estatuto da região autónoma, ao mesmo tempo que o “PSD vai tentar, em Lisboa, dar cabo da Lei de Finanças Regionais que trouxe justiça na atribuição de meios financeiros”.
“Será nesta legislatura que queremos fazer uma revisão constitucional que aprofunde, melhore e clarifique os poderes regionais para que a autonomia ganhe um novo avanço”, disse César, ao adiantar que, para isso, é preciso que o “PS vença estas eleições regionais”.
A campanha socialista prossegue segunda-feira no concelho da Ribeira Grande, um dia que inclui um comício no teatro da cidade da costa Norte da ilha de São Miguel.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.