Sociedade

Centro antivenenos recebe 30 chamadas por dia

Centro antivenenos recebe 30 chamadas por dia

 

Lusa/AOonline   Nacional   10 de Nov de 2008, 17:51

Pelo menos 30 crianças intoxicam-se diariamente em Portugal com comprimidos para dormir esquecidos nas mesas-de-cabeceira, detergentes guardados em armários baixos ou xaropes doces, segundo dados divulgados no âmbito de um campanha de prevenção que será lançada quinta-feira.
O Centro de Informação Antivenenos (CIAV) regista em média 30 chamadas por dia com casos de intoxicação em crianças até aos 15 anos.

    Cerca de 70 por cento dos acidentes com tóxicos podem ser evitados com a adopção de medidas adequadas de prevenção, a par do contacto imediato com o CIAV em caso de acidente, segundo os responsáveis pelo centro e a Associação para a Promoção da Segurança Infantil (APSI).

    Para reduzir estes números, a associação e o INEM juntaram-se numa campanha de prevenção das intoxicações com o objectivo de alertar os pais, avós, educadores e profissionais de saúde.

    A campanha, que será lançada em conferência de imprensa na quinta-feira, visa alertar para os cuidados a ter na administração dos medicamentos, na utilização e arrumação dos produtos domésticos e para o risco de usar embalagens vazias (água, sumo) para guardar produtos tóxicos.

    As duas entidades alertam também para a necessidade de se promover a aquisição de embalagens com tampas resistentes à abertura por crianças e o contacto imediato com o Centro de Informação Antivenenos.

    Na Europa, dois por cento das mortes por acidentes com crianças até aos 14 anos resultam de intoxicações.

    De acordo com uma nota da APSI e do INEM, as crianças são muito ágeis nos seus passos, bastando alguns segundos para uma criança abrir uma gaveta, retirar uma tampa, cheirar e provar.

    Por mais vigilantes que os adultos sejam, referem, a criança pode escapar por segundos à atenção.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.