Candidatura de Coimbra a Região Europeia da Gastronomia vence mais uma etapa

Candidatura de Coimbra a Região Europeia da Gastronomia vence mais uma etapa

 

Lusa/Ao online   Nacional   28 de Jul de 2018, 01:37

O júri que representa o Instituto Internacional de Gastronomia, Cultura, Artes e Turismo (IGCAT, na sigla em inglês) recomendou esta sexta feira "fortemente" a aceitação da candidatura de Coimbra a Região Europeia da Gastronomia em 2021.

"Recomendamos fortemente a aceitação da candidatura da região de Coimbra", disse em Montemor-o-Velho a presidente do júri, Edith Szivas, durante uma conferência de imprensa que encerrou uma visita de três dias à região.

Os membros do júri designado pelo IGCAT (International Institute of Gastronomy, Culture, Arts and Tourism) visitaram durante três dias diversas instituições de ensino ligadas à candidatura da região, reuniram com autarcas e provaram diversos produtos marcantes no campo da gastronomia e dos vinhos.

No final, Edith Szivas (Reino Unido), Mihaela Antofie (Roménia), Antti Iire (Finlândia) e Anja van Hout (Holanda) expressaram oficialmente o parecer de que o IGCAT deverá dar luz verde à candidatura de Coimbra.

A aceitação da candidatura deverá ser anunciada entre outubro e novembro, em Bruxelas, durante a Semana Europeia das Cidades e Regiões. A candidatura é promovida pela Comunidade Intermunicipal (CIM) Região de Coimbra, que conta entre os fundadores com a Universidade de Coimbra, Turismo do Centro, Escola de Hotelaria e Turismo, Instituto Politécnico, Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, para além do apoio do Ministério da Agricultura e da Secretaria de Estado do Turismo.

"O que mais me impressionou nos três dias de visitas foi o vinho da região, de grande qualidade, que conjuga muito bem com uma gastronomia rica e diversificada", disse à agência Lusa o finlandês Antti Lire, perito em Educação e Gastronomia e ‘stakeholder’ de Kuopio 2020.

Antii Lire destacou ainda a forte cultura gastronómica da região, expressa nos seus produtos, mas também na força do movimento das confrarias. E louvou o esforço feito pelas autoridades regionais na área do ensino, destacando a existência de um inédito curso superior de gastronomia, fruto da colaboração da Escola Agrária de Coimbra, Escola Superior de Educação e Escola de Hotelaria e Turismo.

Também Edith Szivas, perita em Turismo Sustentável e Vice-Presidente (Finance) do IGCAT, destacou a existência deste curso superior, que considerou um grande trunfo para a candidatura da região de Coimbra. "É um curso inédito, precursor, que devia servir de inspiração para a Europa e para o resto do mundo", disse a presidente do júri.

"Muito mais do que a dimensão gastronómica, há na nossa candidatura um conjunto de fatores importantes, como o turismo, cultura, promoção da economia local, criação de criação de emprego, qualificação de mão-de-obra", resumiu João Ataíde, presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz e da CIM.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.