Candidatos a líder do PSD/Açores trocam críticas a quatro dias das eleições

Candidatos a líder do PSD/Açores trocam críticas a quatro dias das eleições

 

Lusa/AO Online   Regional   26 de Set de 2018, 06:07

Os dois candidatos à liderança do PSD/Açores, Alexandre Gaudêncio e Pedro Nascimento Cabral, trocaram críticas sobre o passado mais recente do partido, embora concordando na necessidade de a região ser bem representada nos sufrágios de 2019.

Em debate na RTP/Açores, os candidatos abordaram temas como a orientação política recente do partido, a sucessão de Duarte Freitas, as eleições europeias e legislativas de 2019, e os mais de 20 anos consecutivos de governação socialista da região.

Por "dever de consciência", Pedro Nascimento Cabral diz que se candidata para "recolocar o PSD na oposição ao PS", sinalizando que estaria "caladinho" se a orientação política atual fosse certeira.

"Se esta direção política desse vitórias ao PSD, eu estaria caladinho", vincou, acrescentando que o PSD/Açores "não pode ter um presidente em 'part-time'", numa referência ao opositor, autarca da Ribeira Grande.

Alexandre Gaudêncio criticou por sua vez o que diz ser o "discurso faccionário" de Nascimento Cabral, que "está contra os que deram a cara pelo partido" nos anos recentes.

"Alguém que quer ser líder e unificar não pode ter esta atitude", condenou Alexandre Gaudêncio, que disse ter uma candidatura "de pontes e união" interna.

No que se refere às eleições europeias e legislativas de 2019, ambos partilham o mesmo objetivo: um lugar "que dignifique os Açores" em Bruxelas e a eleição de pelo menos três deputados à Assembleia da República.

Nascimento Cabral foi questionado sobre uma eventual candidatura do histórico social-democrata Mota Amaral nas europeias e respondeu: "Se houver convite formal a Mota Amaral, o PSD/Açores só se pode congratular com essa decisão".

A governação socialista da região, que no final desta legislatura atingirá 24 anos, foi também ponto em comum dos candidatos, com ambos a advogarem a necessidade de tirar o poder ao PS.

Gaudêncio e Nascimento Cabral são os candidatos para suceder a Duarte Freitas na liderança do PSD/Açores e ambos têm a esperança de recuperar o ciclo de vitórias que se perdeu com a saída de Mota Amaral da cena política regional, há 23 anos.

O atual líder regional do partido, Duarte Freitas, disse que não se recandidatava por “falta de condições pessoais e familiares”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.