Camané e Gandini Juggling em destaque na programação do Teatro Micaelense

Camané e Gandini Juggling em destaque na programação do Teatro Micaelense

 

Lusa/AO Online   Cultura e Social   4 de Set de 2018, 19:00

Anna Von Hausswolff, Camané, Medeiros/Lucas e Gandini Juggling são os destaques da programação do Teatro Micaelense para a última temporada de 2018, que aposta também no teatro e no cinema português.

A programação de setembro a dezembro do Teatro Micaelense – Centro Cultural e de Congressos, apresentada esta terça-feira, é marcada pela música de Anna Von Hausswolff, Camané e Medeiros/Lucas, mas também pela dança, com a companhia Ballet Teatro Paz, e pelas artes circenses com a companhia Gandini Juggling.

A temporada abriu com a Orquestra Regional Lira Açoriana, no sábado, e prossegue com a Sinfonietta de Ponta Delgada, no dia 14 de setembro, dois nomes que reforçam a aposta do Teatro Micaelense nos artistas locais e na sua “crescente profissionalização”, afirmou o presidente do conselho de administração do Teatro Micaelense, Alexandre Pascoal.

A cultura regional volta no dia 20 de outubro, com "A Luz e a Escuridão de Antero", um espetáculo da companhia Ballet Teatro Paz, que explora a vida e obra de Antero de Quental.

Na música, destacam-se nomes como a cantora e trompetista Andrea Mottis, os portugueses The Black Mamba, ou Anna Von Hausswolff, que chega a Ponta Delgada num concerto integrado na programação do Misty Fest, que acontece em 03 de novembro.

Em 09 e 10 de novembro, o Festival de Música dos Açores (antigo Jazzores) marca a sala de espetáculos, com uma programação que será anunciada em breve.

Destaque, ainda, para o concerto dos açorianos Medeiros/Lucas, inserido no programa do encontro literário “Arquipélago de Escritores”, e para Camané, que no dia 07 de dezembro apresenta, em Ponta Delgada, o seu álbum de homenagem a Alfredo Marceneiro.

O teatro encontra espaço na programação com as Leituras Dramatizadas, que acontecem dias 30 de outubro e 28 de novembro, e em que vão interpretadas, respetivamente, as obras “Eu, Josef K.", de Ricardo Castro Fernandes, e “A Noite Despe-se no Escuro”, de João Santos Lopes.

Em 01 de dezembro, A Escola da Noite, de Coimbra, e o Centro Dramático de Évora põem em cena a "Embarcação do Inferno", de Gil Vicente.

O Teatro Micaelense investe, também, na comédia com o festival Palcomédia que, na sua primeira edição, acolhe o ‘stand-up’ do 'youtuber' açoriano Hélder Medeiros (Helfimed), Tiago Mota e Dário Guerreiro.

Um espetáculo que também se espera com muito humor é “Smashed” da companhia Gandini Juggling, que se inspira no trabalho de Pina Bausch para trazer um espetáculo de circo contemporâneo.

A aposta no cinema mantém-se, com o ciclo “O Filme da Minha Vida”, que mostra o filme “Os Verdes Anos”, de Paulo Rocha, no dia 31 de outubro, bem como com a parceria com o Cineclube de Ponta Delgada, que todos os meses traz ao Teatro Micaelense um filme português, ou com a mostra de curtas-metragens “O dia mais curto”, que acontece no dia mais curto do ano, 21 de dezembro.

O espaço vai acolher, até dezembro, a exposição "Do Convento ao Teatro", que explora a história do Teatro Micaelense desde o incêndio de 1930 até à demolição do antigo convento de São João, que ficava situado no local onde foi construído o atual edifício.

A programação anunciada é “diversificada” e apela a “diferentes públicos”, garante Alexandre Pascoal, que diz ter tido a preocupação de privilegiar “não só a tradição, com aquilo que se faz entre portas, mas também os grandes nomes a novas propostas que possam vir e, no fundo, abrir novos horizontes ao público local e aos criadores locais.”



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.