Força Aérea abre inquérito a militar que terá andado uma semana com filho morto no carro


 

Lusa/AO online   Nacional   12 de Nov de 2012, 08:29

O chefe do Estado-Maior da Força Aérea determinou a abertura de um inquérito ao caso da militar, em formação na Base Aérea do Montijo, que terá andado uma semana com o filho morto dentro do carro.

O Estado-Maior da Força Aérea, General José Pinheiro, adianta, em comunicado, que “determinou a abertura imediata de um processo de averiguações para apuramento de eventuais factos que tenham ocorrido em instalações” da Força Aérea.

A abertura do inquérito foi anunciada pelo Estado-Maior da Força Aérea no domingo, depois de notícias veiculadas na comunicação social que indicavam que uma militar da Força Aérea, em formação na Base do Montijo, terá dado à luz e andado com o filho recém-nascido morto no interior do carro durante uma semana.

De acordo com a imprensa, a 1ª cabo Angelique Kendal terá escondido a gravidez e quando o bebé nasceu, ao que confessou à Polícia Judiciária (PJ), já morto, andou com ele durante uma semana no carro.

Na sexta-feira, quando se deslocou a casa em Santa Maria de Avioso, na Maia, terá pedido a um amigo para queimar o corpo do recém-nascido dizendo que se tratava de um animal.

O amigo, apesar de estranhar a versão, aceitou mas, quando tentou queimar a mochila onde se encontrava o corpo percebeu que afinal era uma criança e chamou a Guarda Nacional Republicana (GNR).

A 1ª cabo, de 26 anos, terá confirmado os factos à PJ, contando que o bebé nasceu morto.

O corpo do bebé encontra-se no Instituto de Medicina Legal do Porto, que deverá efetuar ainda hoje a autópsia.

O crime de infanticídio é punível com pena de um a cinco anos de prisão.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.