Venezuela

Assunção Cristas espera fim da crise e quer eleições democráticas

Assunção Cristas espera fim da crise e quer eleições democráticas

 

AO Online/ Lusa   Nacional   1 de Mai de 2019, 21:57

A presidente do CDS, Assunção Cristas, disse esta quarta feira esperar que a crise na Venezuela seja rapidamente ultrapassada para “abrir um novo espaço de liberdade” e ter eleições democráticas.

Cristas discursou hoje num almoço com algumas dezenas de militantes na Costa da Caparica (Almada), distrito de Setúbal, e falou sobre o valor que tem, para o CDS, o trabalho e a liberdade.

E atacou os partidos de esquerda que apoiam o Governo minoritário do PS e também regimes como o da Venezuela que o que “faz é trazer fome” e “todos os dias condena o seu povo à miséria”

Assunção Cristas lembrou os portugueses e lusodescendentes a viver na Venezuela que, presume, estão “a trabalhar, a torcer, a dar o seu melhor para que este momento seja rapidamente ultrapassado”.

“Para que a Venezuela possa abrir um novo espaço na sua história, abrir um novo espaço de liberdade, ter eleições democraticamente convocadas”, disse.

O autoproclamando Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, desencadeou na madrugada de terça-feira um ato de força contra o regime de Nicolás Maduro, em que envolveu militares e para o qual apelou à adesão popular.

O regime ripostou considerando que estava em curso uma tentativa de golpe de Estado. Não houve, durante o dia de terça-feira, progressos na situação, que continua dominada pelo regime.

Apesar de Guaidó ter afirmado que tinha os militares do seu lado, nenhuma unidade militar aderiu à iniciativa nem se confirmou qualquer deserção de altas patentes militares fiéis a Nicolas Maduro.

Leopoldo López, líder do partido Vontade Popular (VP – oposição a Maduro) que estava em prisão domiciliária, surgiu na terça-feira junto de Juan Guaidó.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.