Alemão Gerhard Ertl é Nobel da Química


 

Lusa / AO online   Internacional   10 de Out de 2007, 11:47

Estudos sobre reacções químicas nas superfícies sólidas, com aplicações industriais desde a produção de fertilizantes à compreensão dos processos de ferrugem, valeram hoje ao alemão Gerhard Ertl o Nobel da Química, no dia em que completa 71 anos.
    "Esta ciência é importante para a indústria química e pode ajudar-nos a compreender os diversos processos de funcionamento da ferrugem e dos catalisadores das viaturas", exemplifica a Academia Real das Ciências da Suécia, que atribui este prémio.

    Ertl, que hoje celebra o seu 71º aniversário, foi um dos primeiros a ver o potencial da química das superfícies e a criar uma metodologia de catalisadores, é indicado nas razões de atribuição do prémio.

    "As reacções químicas sobre as superfícies catalíticas jogam um papel vital em numerosas operações industriais, como a produção dos fertilizantes", acrescenta a Academia.

    "A química das superfícies pode mesmo explicar a destruição da camada de ozono", revela a Academia sueca.

    Actualmente, Gerhard Ertl é professor emérito do departamento de Química Física do Instituto Fritz-Haber der Max-Planck-Gesellschaft, em Berlim.

    O Nobel da Química é o terceiro atribuído esta semana.

    O Nobel da Física foi atribuído terça-feira a um outro alemão, Peter Grünberg, ex-aequo com o francês Albert Fert, pela descoberta em separado da magnetorresistência gigante, tecnologia que tornou os discos rígidos dos computadores mais pequenos e potentes a nível de armazenamento de informação.

    O primeiro a ser atribuído foi o da Medicina, na segunda-feira, que recompensou dois investigadores norte-americanos, Mario Capecchi e Oliver Smithies, e um britânico, Martin Evans, por trabalhos sobre a criação de ratos transgénicos, que abriram um novo horizonte na pesquisa sobre doenças como Alzheimer ou o cancro.

    O Nobel da Literatura será anunciado quinta-feira e o da Paz sexta-feira, em Oslo.

    Na segunda-feira, o prémio da Economia encerrará a semana dos Nobel 2007.

    No ano passado, o Nobel da Química recompensou o norte-americano Roger Kornberg pelos seus trabalhos fundamentais na transcrição de genes.

    O laureado receberá a 10 de Dezembro próximo uma medalha de ouro, um diploma e um cheque de 10 milhões de coroas suecas (cerca de 1,08 milhões de euros).

    Os prémios foram atribuídos pela primeira vez em 1901, fundados pelo industrial sueco Alfred Nobel, que desejava que após a sua morte, em 1896, a sua fortuna fosse distribuída anualmente sob a forma de prémio.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.