Açoriano Oriental
Resultados nacionais e regionais
Vitória do PSD em dia de subida à esquerda do PS
O PSD arrecadou a maioria dos votos num acto eleitoral marcado pela abstenção, de que a Região tornou a ser campeã com 78,3 por cento. CDU e BE subiram nestas eleições, quer a nível percentual quer em votos. CDS-PP manteve os dois eurodeputados (Mapas e gráficos na edição desta segunda-feira, 8 de Junho de 2009, do Açoriano Oriental)
Vitória do PSD em dia de subida à esquerda do PS

Autor: Olímpia Granada

O PSD venceu este domingo as europeias em Portugal, com 31,7 por cento dos votos. O Partido Socialista obteve 26,6 por cento do total dos votos, quando há cinco anos obtivera 44,5 por cento.
Também a nível nacional, o Bloco de Esquerda (BE) foi um dos grandes vencedores da noite, mais do que duplicando a votação conseguida em 2004 (ou seja, passou de 4,9 por cento para perto de 11 por cento) e  tornou-se, assim, a terceira força mais votada. Um lugar que o CDS-PP ocupou nos Açores, embora os bloquistas também tenham, na Região, subido significativamente.
No entanto, depois de apuradas as 4 260 freguesias nacionais, mantinha-se a incógnita sobre a que partido vai pertencer o 22.º eurodeputado eleito por Portugal, sendo necessário aguardar pelo resultado dos consulados.
Apesar de passarem a quarta força política, atrás do BE, os comunistas também subiram, passando de 9,1 por cento para 10,7 por cento, que lhes permitiu manter os dois eurodeputados.
O CDS-PP  também revelava ontem satisfação por ter alcançando o objectivo de eleger dois eurodeputados e 8,4 por cento dos votos, acima das previsões das sondagens.
Recorde-se que em 2004, PSD e CDS-PP, então no Governo, concorreram coligados, mas somaram apenas 33,3 por cento dos votos. Agora, juntando os resultados dos dois partidos, sociais-democratas e democratas-cristãos ultrapassam a fasquia dos 40 por cento.
Com estes resultados, o PS perdeu, em relação a 2004, votos, percentagem e mandatos, passando de 12 para 7 eurodeputados, mas numa eleição em que Portugal perdeu dois representantes no Parlamento Europeu (passando de 24 para 22 eurodeputados).
No rescaldo da noite, o secretário-geral do PS e primeiro-ministro, José Sócrates, assumiu a derrota, mas fez questão de separar o resultado europeu das próximas legislativas, que se disputarão entre Setembro e Outubro.
A líder do PSD, Manuela Ferreira Leite, considerou que esta vitória significa que o PSD recuperou “o estatuto de verdadeira e única alternativa ao PS”, e prometeu começar a trabalhar segunda-feira com vista aos próximos actos eleitorais.
O CDS-PP aproveitou os resultados eleitorais para anunciar que irá apresentar uma moção de censura ao Governo, enquanto a oposição de esquerda destacou o ‘cartão vermelho’ dos eleitores ao executivo liderado por Sócrates.

Açores
Quanto aos Açores, estarão representados no Parlamento Europeu por Maria do Céu Patrão Neves, que estava em sexto lugar na lista do PSD, e por Luís Paulo Alves, que ocupava a sexta posição na lista do PS.
Os restantes candidatos açorianos, apresentados pela CDU (Carlos Ribeiro), BE (Paulo Mendes), CDS/PP (Emiliana Silva) e MPT (Manuel Moniz), não foram eleitos. Contudo, e ao contrário dos dois maiores partidos,BE e CDU aumentaram o número de votantes.
Na Região, o PSD venceu com 40,07 por cento dos votos e o PS obteve 32,86 por cento. Nas reacções, o líder do PS, Carlos César, em registo irónico, elogiou a estratégia de campanha do PSD, que acusara  Vital Moreira - cabeça de lista socialista - de ser centralista e devolvendo depois o ‘mimo’ a Manuela Ferreira Leite, pelo que recusa que a derrota de ontem seja um prenúncio de outras para o PS.
Já Berta Cabral fez uma análise oposta, considerando que a vitória traduz a vontade de mudança dos eleitores. * com lusa

 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.