Ensino Superior

Recorde de entradas nas universidades

Recorde de entradas nas universidades

 

Lusa/AO online   Nacional   14 de Set de 2008, 12:00

Mais de 44 mil estudantes foram colocados na primeira fase de acesso ao ensino superior público, o número mais elevado dos últimos 12 anos, de acordo com dados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Segundo os resultados do concurso, divulgados às 00h00 de domingo na Internet, foram colocados 44.336 alunos, mais seis por cento do que no ano passado, com o aumento das colocações a fazer-se sentir, sobretudo, no ensino politécnico. 
O aumento registou-se igualmente no total de candidaturas, que cresceu três por cento, assim como no número de vagas, que este ano foi também o maior da última década, com 50.219 lugares disponibilizados.
Por área de formação, os cursos em que se registou um maior aumento de lugares foram os de Ciências e Tecnologias (mais 635, o que os coloca na liderança com um total superior a 17 mil vagas) e os de Ciências Sociais, seguindo-se, a larga distância, os de Saúde e Protecção Social.
Já a queda no número de vagas registou-se sobretudo nas Humanidades (com menos 169), seguindo-se as Ciências Veterinárias e a Educação.
No total, ficaram colocados nesta primeira fase 84 por cento dos 53.062 candidatos, contra 81 por cento de colocações registadas em 2007.
Entre os colocados, 53 por cento conseguiram ficar no curso e no estabelecimento de ensino que indicaram como primeira opção, enquanto cerca de um terço foram colocados na segunda ou terceira opções.
Apesar da tendência de crescimento do ensino politécnico, já verificada nos anos anteriores, é para as universidades que continua a ir a maioria dos estudantes (quase 57 por cento).
Para os 8.726 alunos que não conseguiram entrar, resta a possibilidade de concorrer à segunda fase, que se realiza ao longo da próxima semana, com 5.917 vagas ainda disponíveis.
Os resultados da primeira fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior público serão afixados esta segunda-feira, mas os dados estão disponíveis a partir de domingo na Internet, no endereço https://acessoensinosuperior.pt.

Mais alunos em Medicina

A nota mínima de entrada nas licenciaturas de Medicina, habitualmente as mais disputadas pelos estudantes, subiu ligeiramente em relação a 2007, apesar de ter aumentado o número de vagas disponíveis, segundo dados do Ministério do Ensino Superior.
Este ano, nenhum aluno entrou no curso com menos de 17,90 valores (numa escala de zero a vinte), a média registada no ciclo básico de Medicina da Universidade da Madeira, que teve a nota mais baixa entre as nove licenciaturas existentes em todo o país.
No ano passado, o último colocado em Medicina tinha média de 17,75, o que significa que teria ficado a 15 décimas de entrar, caso tivesse concorrido agora.
Pelo contrário, a nota de entrada mais alta deste ano (18,52 valores na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto) desceu em comparação com a registada em 2007, que chegou aos 18,85 na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa.
No geral, entre os nove cursos existentes (sete licenciaturas em Portugal Continental e dois ciclos básicos nas Regiões Autónomas), cinco viram a média aumentar, o que aconteceu no caso das universidades da Madeira, Açores, Lisboa e Minho, assim como no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (Porto).
A subida do número de vagas disponibilizadas nos cursos de Medicina, que passou de 1.400 para 1.489, poderia fazer prever uma descida das notas de entrada, o que não aconteceu.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.