Recessão afetou "severamente" PME em Portugal

Recessão afetou "severamente" PME em Portugal

 

Lusa/AO online   Economia   15 de Out de 2012, 12:19

A recessão afetou "severamente" as Pequenas e Médias Empresas (PME) em Portugal, que representam 99,9 por cento do tecido empresarial português, segundo dados divulgados esta segunda-feira pela Comissão Europeia.

De acordo com os resultados de um relatório do executivo comunitário, “as PME em Portugal foram severamente afetadas pela recessão”, com as microempresas (que têm menos de 10 trabalhadores e que representam 94% do total de empresas) a serem as mais atingidas.

As PME representam 99,9 por cento do número total de empresas existentes em Portugal e 78,3 por cento do emprego, segundo os dados de Bruxelas, divulgados no primeiro dia da Semana Europeia das PME 2012.

A Comissão Europeia salienta, no entanto, que Portugal desenvolveu iniciativas políticas importantes, nomeadamente ao nível da promoção do empreendedorismo.

No contexto europeu, "apesar da conjuntura desfavorável, as PME mantiveram-se enquanto espinha dorsal da economia europeia, representado mais de 98% das empresas, com cerca de 20,7 milhões de empresas e mais de 87 milhões de trabalhadores", lê-se num comunicado do executivo comunitário.

Segundo as estimativas da Comissão, as PME deverão representar, em termos europeus, 67% do emprego total e 58% do valor acrescentado bruto (VAB).

Bruxelas salienta, todavia, que "as tendências nos Estados-membros são cada vez mais divergentes e, no que toca ao emprego, ainda não se registou qualquer sinal positivo", motivo pelo qual defende a necessidade de uma "ação política decisiva que favoreça os fatores determinantes do crescimento das PME".

Na semana passada, a Comissão Europeia propôs um conjunto de ações para dinamizar a indústria, que inclui a afetação entre 10 e 15 mil milhões de euros do Banco Europeu de Investimento (BEI) em empréstimos adicionais às PME.

O objetivo da proposta do executivo comunitário para o setor é “contrariar a atual tendência descendente, passando o seu contributo para o PIB [Produto Interno Bruto] da UE [União Europeia] dos 15,6% registados presentemente para 20% até 2020”, segundo um comunicado divulgado na altura.

Em Portugal, o Governo pretende negociar com o Banco Europeu de Investimento (BEI) uma linha de financiamento de PME, que dará prioridade aos setores de bens e serviços transacionáveis, segundo uma versão preliminar da proposta de lei do Orçamento do Estado para 2013, a que a agência Lusa teve acesso.

A proposta de Orçamento do Estado para 2013 deverá ser hoje definitivamente aprovada pelo Governo e entregue na Assembleia da República.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.