Professores e Governo voltam hoje a sentar-se à mesa para negociar descongelamento

Professores e Governo voltam hoje a sentar-se à mesa para negociar descongelamento

 

Lusa/AO Online   Nacional   15 de Dez de 2017, 07:24

Os professores começam hoje a negociar as condições de descongelamento, reposicionamento e progressão na carreira, tendo como ponto de partida um princípio de entendimento com o Governo que ainda não garante nenhuma das principais reivindicações.

A reunião está marcada para as 10:00, na sede da Direção-Geral de Educação, em Lisboa, e vai sentar à mesa todas as estruturas sindicais que assinaram a declaração de compromisso a 18 de novembro: Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Federação Nacional de Educação (FNE) e os oito sindicatos mais pequenos reunidos na Frente Sindical de Professores.

Essencial para todos os sindicatos é que o Governo se comprometa a contabilizar para efeitos de progressão na carreira todo o tempo de serviço que esteve congelado – nove anos, quatro meses e dois dias, como têm repetidamente enunciado – mas do lado do executivo o discurso tem sido vago sobre a matéria.

No final de novembro, numa visita a escolas em Braga, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, afirmou que as negociações com os professores se fariam “com balizas claras” e com “muita responsabilidade”.

O tempo que vai demorar a reposição salarial referente ao reposicionamento na carreira é outro dos temas importantes em negociação, tendo ficado já assente que começa em 2018 mas apenas termina no final da próxima legislatura, uma vez que o peso orçamental da progressão dos professores é elevado.

O Governo estimou em 650 milhões de euros o custo de um descongelamento e reposicionamento total de forma imediata.

A declaração de compromisso não traduz ainda qualquer medida das matérias em negociação, mas a secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão – que ao lado da secretária de Estado da Administração e Emprego Público, Fátima Fonseca, liderou as primeiras negociações com os sindicatos – afirmou na madrugada de 18 de novembro que o compromisso assinado era “um modelo responsável e financeiramente sustentável”.

A Fenprof, uma das estruturas mais representativas dos professores, já alertou o Governo que 2018 poderá ser um ano de luta nas ruas e de greves se das negociações que hoje se iniciam não saírem acordos.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.