Sociedade

Portugal com redução na taxa de mortalidade

Portugal com redução na taxa de mortalidade

 

Lusa/AOonline   Nacional   14 de Out de 2008, 11:26

A Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou Portugal como um dos cinco países do Mundo que mais "notáveis progressos" fizeram na redução da taxa de mortalidade desde 1970, em especial da mortalidade infantil, num relatório divulgado esta terça-feira.
No relatório de 2009 "Cuidados de Saúde Primários - Agora mais do que sempre", Portugal é classificado como um dos cinco países do Mundo (Chile, Malásia, Tailândia e Omã) que "mais notáveis progressos" fizeram na "redução da taxa de mortalidade", designadamente "para menos de um quinto desde 1975".

    Este 'feito' deve-se, segundo o organismo, ao "melhoramento no acesso às redes de saúde, que foram expandidas", e foi possível graças a um "compromisso político sustentável" e a um "crescimento económico que permitiu continuar a investir no sector da saúde".

    Quanto à melhoria dos indicadores de saúde em Portugal, a OMS destaca que a "esperança de vida à nascença" é actualmente "9,2 anos superior ao que era há três décadas", sublinhando os resultados nacionais alcançados na "redução dos casos mortais em vários grupos etários", sobretudo na mortalidade infantil, onde se regista uma "redução para metade de oito em oito anos".

    "O desempenho de Portugal para reduzir a taxa de mortalidade em várias faixas etárias é dos mais consistentes e bem sucedidos [do Mundo] nas últimas três décadas", salienta o estudo.

    Outros dados avançados pelo relatório da OMS indicam que, entre 1970 e 2008, Portugal conseguiu reduzir a mortalidade perinatal em 71 por cento, a mortalidade infantil (óbitos de crianças nascidas vivas que faleceram com menos de um ano) em 86 por cento, a de crianças em 89 por cento e a mortalidade maternal em 96 por cento.

    "Esta performance levou a uma evidente convergência da saúde da população portuguesa com a de outros países da região", lê-se no documento.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.