Media

Plano de reestruturação da RTP vai ser entregue na terça-feira


 

Lusa/AO online   Nacional   19 de Set de 2011, 18:51

O plano de reestruturação financeira da RTP, pedido pelo Governo, vai ser entregue na terça-feira ao ministro dos Assuntos Parlamentares, Miguel Relvas, indicou à agência Lusa fonte do gabinete da tutela.
O referido plano está pronto desde a semana passada, garantiu há dias fonte oficial da RTP à Lusa, e só não foi entregue no prazo inicialmente previsto, 15 de Setembro, porque o ministro com a tutela da comunicação social se encontrava no Brasil, nas celebrações do centenário da Câmara de Comércio Portuguesa do Rio de Janeiro.

O documento tem como objectivo abordar o futuro mais próximo da RTP "com maior optimismo e maior eficiência", declarou já Miguel Relvas.

No começo de Agosto, no final de uma visita ao canal público, o ministro anunciou a data de 15 de Setembro como a limite para a apresentação de um plano de reestruturação financeira da RTP.

"Estamos a falar de canais de televisão e rádio públicos, que têm de ter objectivos de eficiência. Os investimentos que aqui são feitos são feitos com o dinheiro dos contribuintes portugueses e esse grau de exigência tem de existir", disse então Miguel Relvas.

Recentemente, numa audição parlamentar, Miguel Relvas primeiro e Guilherme Costa, presidente da RTP, posteriormente, anunciaram a redução para quatro horas diárias da produção da RTP Açores e da RTP Madeira, uma das medidas que deverá englobar o plano de reestruturação da empresa.

De acordo com Miguel Relvas, são gastos 11,7 milhões de euros por ano na RTP Madeira e 13 milhões de euros na televisão açoriana, valores considerados demasiado elevados. Guilherme Costa, também ouvido no Parlamento, reconheceu que a RTP Açores e a RTP Madeira "têm custos excessivos" e podem trabalhar com menos meios.

Miguel Relvas defendeu também uma "gestão criteriosa" na RTP e na agência Lusa, reforçando o desejo de "potenciar sinergias" entre as duas empresas, nomeadamente na "partilha de instalações e meios" em delegações no estrangeiro, por exemplo.

Em paralelo, um grupo de trabalho liderado pelo economista João Duque tem vindo a estudar o conceito de serviço público de comunicação social, devendo ter pronto em outubro as conclusões do seu trabalho.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.