Mourinho acusado de agredir aluno da escola da filha


 

Lusa / AO online   Nacional   8 de Nov de 2007, 20:05

Um aluno do Colégio St. Peter´s School, de Palmela, acusou José Mourinho de o ter agredido, mas o assessor pessoal do ex-treinador de futebol do Chelsea diz que as câmaras de vigilância "provam que não houve agressão”.
Segundo a directora pedagógica do colégio, Isabel Simão, José Mourinho terá tido "uma reacção acima do que seria expectável”, ao identificar um aluno do 8º ano de escolaridade, que, alegadamente, teria insultado a filha, mas escusou-se a confirmar se houve ou não agressão.
“Estava relativamente perto e não me apercebi que tivesse ocorrido qualquer acto de espancamento ou de agressão física, mas a criança e os pais de outros alunos que se encontravam no local, cerca das 17:00, 17:30, garantiram que o senhor José Mourinho puxou os cabelos e as orelhas ao miúdo”, disse, acrescentando que o incidente foi discutido numa reunião conjunta cerca das 20:30 (hora Local) de quarta-feira.
“O próprio José Mourinho percebeu de imediato que se tinha excedido e assumiu que tinha errado, apresentando duas cartas de desculpas, uma à escola e outra aos pais. Mas as cartas foram-lhe devolvidas e o incidente ficou resolvido”, assegurou.
A directora pedagógica do St. Peter´s School referiu ainda que o rapaz, de 12 anos, e a filha de José Mourinho, de 11, aluna do 6º ano, apresentam versões contraditórias.
“Ela diz que o rapaz insultou o pai [José Mourinho], mas ele garante que disse apenas que o pai dela era bom e que ela não era. São coisas de miúdos”, disse à Lusa Isabel Simão, convicta de que o caso só está a ser empolado por se tratar de uma pessoa com a imagem de José Mourinho.
Contactado pela Lusa, Eládio Paramés, assessor pessoal de José Mourinho, garantiu que não houve nenhuma agressão, admitindo, no entanto, que terá havido "alguma tensão" no encontro, o que considerou "normal em função dos insultos que o rapaz foi proferindo ao longo dos tempos à filha do José Mourinho e a ele próprio".
Segundo Eládio Paramés, José Mourinho foi ao colégio e abordou o rapaz para lhe pedir os telefones dos pais, por querer falar com eles, mas, quando o treinador estava a apontar o número do telemóvel da mãe do aluno, surgiu um funcionário do colégio e aquele aproveitou para sugerir que estaria a ser agredido.
"José Mourinho agarrou-o e confrontou-o, dizendo-lhe que estava a mentir e questionando-o sobre em que momento o tinha agredido", acrescentou Eládio Paramés.
De acordo com o assessor pessoal do ex-treinador do Chelsea, os pais do aluno, José Mourinho - que entretanto telefonara à mãe do rapaz - e a filha deste visionaram depois em conjunto a gravação das câmaras de vigilância do colégio, que “registaram tudo e provam que não houve agressão”.
O Colégio St. Peter´s School é um estabelecimento de ensino particular situado a poucas centenas de metros da saída de Palmela da auto-estrada do Sul (A2), frequentado por cerca de 1.000 alunos, desde o jardim-de-infância ao 12º Ano.
A Agência Lusa contactou a mãe do aluno, por intermédio da escola, que, no entanto, se escusou a prestar declarações.
A Lusa tentou ainda ouvir o próprio José Mourinho, tendo-se deslocado à sua moradia em Setúbal, mas foi informada de que o treinador não se encontrava em casa.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.