Política

Ministro quer poupar 20 milhões de euros em 2012

 Ministro quer poupar 20 milhões de euros em 2012

 

LUSA/AOnline   Nacional   4 de Set de 2011, 19:32

O ministro da Solidariedade e Segurança Social, Pedro Mota Soares, afirmou hoje, em Famões, concelho de Odivelas, que pretende poupar 20 milhões de euros em despesa de administração desta tutela no próximo Orçamento do Estado, em 2012.

O governante falava aos jornalistas no final da cerimónia de inauguração do novo edifício do Centro Comunitário Paroquial de Famões, construído ao abrigo do Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais (Pares), com a colaboração da autarquia, e que irá acolher 90 crianças e 60 idosos.

Pedro Mota Soares recordou que, além do corte de 18 dirigentes distritais adjuntos da Segurança Social, vai ainda "reduzir 25 por cento nas chefias a nível distrital e nacional", na sua opinião, "um corte muito significativo".

"Vamos gastar muito menos na máquina da Segurança Social, mas mantendo a mesma qualidade na capacidade de resposta dos serviços", garantiu o governante.

A poupança de 20 milhões de euros, segundo o ministro, será feita em "cortes de dirigentes, de estruturas e muitas despesas de funcionamento".

Pedro Mota Soares recordou que o país "vive um momento de dificuldades" porque "durante muitos anos gastou mais do que recebeu e deve mais do que pode" e "tem de reduzir de forma muito significativa a despesa do Estado".

"Portugal teve de assinar um memorando de entendimento com um conjunto de estruturas estrangeiras para assegurar a solvência dos seus compromissos. Há um quadro de exigência, mas numa altura de austeridade é essencial que haja sempre uma ética social", sustentou.

Para o tutelar da pasta da Solidariedade e Segurança Social, "é importante reduzir a despeza do Estado sem atingir as pessoas mais sacrificadas, muitas vezes aquelas que têm menos recursos económicos".

Adiantou que, neste cenário, vão ser introduzidas alterações no subsídio do desemprego, mas o Governo irá "majorar em dez por cento em cada um dos agregados familiares quando o casal está desempregado e com filhos a cargo, para ter a certeza que se dá um pouco mais nestes casos".

Na inauguração das novas instalações do Centro Comunitário Paroquial de Famões, Pedro Mota Soares fez uma intervenção pública, recordando o Programa de Emergência Social (PES), no âmbito do qual a tutela passou a "facilitar" a criação de equipamentos sociais.

Também recordou que na última semana saiu uma portaria segundo a qual é aumentada a capacidade das atuais creches da Segurança Social e das Misericórdias "sem diminuição da qualidade do atendimento".

"O rácio criança/educador é totalmente seguro e está dentro dos parâmetros da OCDE", assegurou o ministro sobre a medida que aumenta de oito para 10 crianças nas salas do bercário, de 10 para 14 no primeiro ano de idade e de 15 para 18 nas crianças a partir dos dois anos.

Um dos objetivos da medida é, segundo o ministro, "ajudar os casais quando ambos são trabalhadores" e "ajudar a esvaziar a procura do mercado paralelo de creches".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.