Açoriano Oriental
Covid-19
Marcelo defende que pandemia torna mais urgente o compromisso de todos com a ONU

O Presidente da República apelou ao compromisso de todos para com o multilateralismo e a ONU, 75 anos depois da sua criação, defendendo que isso se torna ainda mais urgente com as consequências da pandemia de covid-19.

Marcelo defende que pandemia torna mais urgente o compromisso de todos com a ONU

Autor: Lusa/AO Online

Marcelo Rebelo de Sousa fez este apelo numa mensagem publicada no portal da Presidência da República na Internet por ocasião da reunião de alto nível que decorrerá hoje por videoconferência para comemorar os 75 anos da Organização das Nações Unidas (ONU), aniversário que se celebra no dia 24 de outubro.

Nesta nota, o chefe de Estado começa por citar as primeiras palavras do preâmbulo da carta fundadora da ONU, assinada em 26 de junho de 1945: "Nós, os povos das Nações Unidas".

O Presidente da República afirma que esta frase "veio mudar o mundo para sempre" e que os valores da Carta das Nações Unidas "continuam relevantes nos dias de hoje: a paz e segurança mundiais, a promoção dos direitos humanos universais e justiça para todos".

"Neste ano em que celebramos os 75 anos da sua assinatura, é tempo de refletir e reafirmar o compromisso das nações, também de Portugal, para com o multilateralismo e as Nações Unidas", escreve Marcelo Rebelo de Sousa.

O chefe de Estado refere-se depois às "circunstâncias particularmente difíceis causadas pela pandemia da covid-19", que aponta como "um dos maiores desafios à escala global que a ONU e os seus Estados-membros enfrentam desde a sua criação".

Marcelo Rebelo de Sousa defende que esta conjuntura torna "ainda mais premente e atual o compromisso de todos perante os valores da Carta das Nações Unidas".

"Recordo também as obrigações assumidas por Portugal decorrentes da Carta das Nações Unidas e outros tratados e fontes de direito internacional e reitero a minha esperança num mundo melhor, mais digno e mais justo para todas as gerações. Juntos, 75 anos depois, continuamos a construir um futuro melhor, convictos de que a nossa visão multilateralista, aberta e solidária está em plena sintonia com a nobre missão das Nações Unidas e da sua Carta", acrescenta.

Os trabalhos da 75.ª sessão da Assembleia Geral da ONU, órgão constituído por representantes de todos os 193 Estados-membros desta organização, começaram na semana passada e o debate geral terá início na terça-feira.

Desta vez, devido à pandemia de covid-19, a sessão decorre com recurso a intervenções em vídeo, embora qualquer líder mundial tenha o direito de comparecer pessoalmente para discursar na sede da ONU, em Nova Iorque.

Nesta 75.ª sessão, será o primeiro-ministro, António Costa, a representar o Estado português. O debate geral entre chefes de Estado e de Governo terá como tema "Tornar a ONU relevante para todos: Liderança global e responsabilidade partilhada para sociedades pacíficas, equitativas e sustentáveis".


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.