Igreja de Fajã de Baixo reabre a 25 de Março

Igreja de Fajã de Baixo reabre a 25 de Março

 

João Alberto Medeiros   Regional   26 de Out de 2007, 17:08

Há sessenta anos que este imóvel classificado não era alvo de uma intervenção de fundo. A própria comunidade local e emigrada, bem como o Governo dos Açores, constituem os financiadores das obras em curso naquela igreja.
A Igreja Paroquial de Fajã de Baixo, vai reabrir ao público a 25 de Março, depois de mais um ano encerrada ao público.

O culto tem vindo entretanto a decorrer na Casa Museu de Natália Almeida.

No dia de reabertura da Igreja de Nossa Senhora dos Anjos, o Bispo de Angra e Ilhas dos Açores, D.Aurélio Granada Escudeiro, vai presidir à eucaristia que será celebrada justamente para marcar a data festiva para a comunidade de Fajã de Baixo.

Aquele templo, classificado como imóvel de interesse público, está a ser alvo de obras de restauro iniciadas no ano transacto.

As obras em curso estão orçadas em cerca de 800 mil euros, contemplando trabalhos de consolidação, restauro dos elementos decorativos e correcção de dissonâncias arquitectónicas.

O padre Victor Arruda encontra-se entretanto no Canadá, onde irá receber os valores angariados num jantar, pela comunidade fajanense emigrada naquele país.

Visando igualmente a angariação de fundos, a paróquia vai promover entretanto um jantar de São Martinho.

O pároco não deixa de referir que o povo “tem sido extremamente generoso” para com a realização da obra de beneficiação do templo.

Para o padre Victor Arruda, a reabilitação da Igreja representa “um momento importante” da comunidade, tendo em conta que há mais de sessenta anos que não se realizavam grandes reparações no templo.

O Governo dos Açores já disponibilizou 515 mil euros para as obras de beneficiação da igreja, em duas tranches, uma vez que se está peranmte um imóvel classificado.

O valor dos paroquianos já atingiu os 210 mil euros, num grande esforço por parte da comunidade.

O papel decisivo da comunidade
Depois da Igreja de Nossa Senhora de Oliveira, na Fajã de Cima, é a vez da Igreja de Nossa Senhora dos Anjos, na Fajã de Baixo.

Tratam-se de dois imóveis que representam o património religioso na ilha e que servem duas das mais populosas localidades do concelho

d e Ponta Delgada, devido à sua proximidade da maior urbe dos Açores.

Em ambos os casos, os contributos da comunidade local revelaram-se de crucial importância, face aos problemas financeiros que a Diocese de Angra e Ilhas dos Açores atravessa e que a impossibilita de assumir os encargos financeiros inerentes à obra.

Em ambos os casos foram realizados vários peditórios, porta a porta, nas comunidades locais, que sempre corresponderam, apesar dos parcos orçamentos que possuem, ao apelo da Igreja.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.