Venezuela

Guaidó denuncia intimidação de forças policiais à sua família

Guaidó denuncia intimidação de forças policiais à sua família

 

Lusa/AO Online   Internacional   31 de Jan de 2019, 17:13

O autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, denunciou, esta quinta-feira, manobras de intimidação das forças policiais à sua família e disse que responsabilizará o Presidente Nicolás Maduro se alguma coisa lhe acontecer.

“Neste momento, a FAES (Força de Ação Especial da Polícia Bolivariana) está em minha casa, na minha residência familiar. Responsabilizo o cidadão Nicolás Maduro pela integridade da minha filha, que lá se encontra”, escreveu Juan Guaidó na sua conta da rede social Twitter.

A seguir, num discurso em Caracas, Guaidó partilhou com os apoiantes: “A FAES está em minha casa, a perguntar onde está Fabiana (a sua mulher). Neste preciso momento, a ditadura pensa que vai conseguir intimidar-nos”.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando Juan Guaidó se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Após a sua autoproclamação, Guaidó, de 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

A União Europeia fez um ultimato a Maduro para convocar eleições nos próximos dias, prazo que Espanha, Portugal, França, Alemanha e Reino Unido indicaram ser de oito dias (a contar desde sábado passado), findo o qual os 28 reconhecem a autoridade de Juan Guaidó e da Assembleia Nacional para liderar o processo eleitoral.

Nicolás Maduro, de 56 anos, chefe de Estado desde 2013, denunciou a iniciativa do presidente do parlamento, no qual a oposição tem maioria, como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos da América.

A repressão dos protestos antigovernamentais da última semana provocou pelo menos 40 mortos, de acordo com dados das Nações Unidas.

Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados da ONU.

Na Venezuela, residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.