Greves marcam fim de 2013 e início de 2014 no setor dos transportes

Greves marcam fim de 2013 e início de 2014 no setor dos transportes

 

Lusa/AO Online   Economia   31 de Dez de 2013, 05:28

O ano de 2013 termina hoje com greves dos trabalhadores de várias empresas do setor dos transportes, e o cenário repete-se no primeiro dia de 2014.

Os trabalhadores da Carris (transportes urbanos de Lisboa) e da Transportes Sul do Tejo (TST) estarão em greve a partir das 18:00 de hoje e na quarta-feira durante todo o dia.

Segundo Manuel Leal, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), as paralisações nos autocarros de Lisboa ocorrem como protesto contra o Orçamento do Estado para 2014 e os cortes nos salários aos trabalhadores.

A greve nos TST foi justificada pelo sindicato dos motoristas como a forma que os trabalhadores encontraram para se “manifestarem pelo facto de serem ignorados pela empresa”.

Para quinta-feira está agendada nova reunião entre as organizações representativas dos trabalhadores da Carris para “dar continuidade a este processo de luta”.

A TAP antecipa a possibilidade de atrasos durante o dia de hoje devido à greve convocada para a Groundforce, mas mantém toda a operação e horários, à semelhança do dia 24.

De acordo com uma fonte oficial da TAP, a transportadora “mantém todo o planeamento da sua operação e horários de aviões, mantendo-se o que foi a mensagem que [se tentou] passar aos clientes” na véspera de Natal, quando ocorreu um período de greve idêntico.

“É possível que venham a ocorrer alguns atrasos, mas não prevemos o cancelamento de qualquer voo e mantemos a operação como previsto”, sublinhou a mesma fonte, reafirmando o que a TAP havia comunicado no começo do mês.

O Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA), que representa 840 trabalhadores da Groundforce, avançou para a greve em protesto contra a reorganização dos tempos de trabalho, "que resulta em horários de nove e 10 horas", segundo a estrutura sindical.

Os pilotos da easyJet da base de Lisboa cumprem hoje e quarta-feira os dois últimos dos quatro dias de greve agendados para o período do Natal/Ano Novo, mas a companhia diz que não haverá grande impacto.

Segundo a companhia aérea de baixo custo, “a maioria dos voos programados para os dias 31 de dezembro e 01 de janeiro não serão afetados pela greve”, com exceções para os voos para Berlim, Liverpool e Madrid, “que poderão sofrer algum impacto”.

Para estes voos, e de forma a “minimizar os inconvenientes” para os passageiros, a easyJet está a desenvolver o plano de contingência.

A companhia aérea recomenda aos passageiros que verifiquem o estado do voo no ‘site’ da empresa (www.easyJet.com) antes de se dirigirem para o aeroporto, pois “poderão registar alguns atrasos”.

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans) emitiu um pré-aviso de greve ao trabalho extraordinário, em dia de descanso semanal e dia feriado. Mas fonte oficial da CP garante que a maioria dos comboios urbanos de Lisboa e Porto deverá estar a circular normalmente na quarta-feira.

Este pré-aviso, que termina a 02 de janeiro, abrange a CP, a CP- Carga, a Refer e EMEF.

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.