"Greve dos CTT é um bom começo" para próximas lutas

"Greve dos CTT é um bom começo" para próximas lutas

 

Lusa/AO Online   Nacional   25 de Out de 2013, 07:47

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, marcou presença esta setxa-feira junto do piquete de greve dos trabalhadores dos CTT, elogiando a "coragem" desta iniciativa e considerando que marca o arranque de um período de luta a nível nacional.

 

"Esta greve dos CTT [Correios de Portugal] é um bom começo para todas as outras lutas que vão ter lugar nos próximos dias", afirmou à agência Lusa o líder sindical, marcando o início da paralisação às 0:00, e destacou a "coragem e a determinação" dos trabalhadores dos CTT que, realçou, "não estão só a olhar por si mesmos".

Segundo Arménio Carlos, "esta é uma greve que se justifica", e defendeu esta consideração com três argumentos principais: "A defesa dos direitos dos trabalhadores, a mobilização contra a privatização de um serviço fundamental, e a defesa da economia portuguesa.”

O secretário-geral da CGTP era uma das várias dezenas de pessoas que se concentraram desde o início da noite de quinta-feira nas entradas do Centro de Tratamento de Correio de Cabo Ruivo, na capital portuguesa.

A greve de 24 horas nos CTT teve início à meia-noite, marcando o arranque do ciclo de protestos que vai decorrer em simultâneo com a discussão da proposta de Orçamento do Estado para 2014 no parlamento.

De acordo com informações recolhidas pela Lusa junto da organização do piquete de greve, dos cerca de 500 trabalhadores que se deviam apresentar ao serviço para o turno da noite nesta central de distribuição de correspondência, em Lisboa, apenas três funcionários o fizeram.

A paralisação dos trabalhadores dos CTT integra e inicia a quinzena de luta do setor dos transportes e comunicações, que decorre até 09 de novembro, culminando com uma manifestação nacional, em Lisboa.

Os trabalhadores dos correios contestam o agravamento dos cortes salariais previstos na proposta de Orçamento do Estado para o próximo ano para o setor empresarial do Estado, bem como a privatização da empresa, que está em curso.

 

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.